A BICICLETA QUE TERMINOU O REINO DO REI DO SUPERCROSS

A Kawasaki KX2001 de 250 ajudou Ricky Carmichael a conquistar seu primeiro título AMA Supercross na categoria rainha. O campeonato mais prestigiado do nosso esporte.

No início dos anos 2000, Jeremy McGrath era o Rei do Supercross. Ele era praticamente imbatível, vencendo sete campeonatos de Supercross em oito anos. Ele venceu 72 eventos principais do Supercross. A equipe Kawasaki sabia que algum dia, alguém iria vencer o “Supermac”, e eles apostaram tudo em um garoto ruivo, baixo e atarracado da Flórida chamado Ricky Carmichael. Ricky não era desleixado. Antes da temporada de 2001, Ricky havia vencido três 125 Campeonatos Nacionais de Motocross consecutivos (1997-1999), a coroa AMA 1998 East Supercross de 125 e o Campeonato Nacional AMA 2000 de 250. Mas, Ricky não tinha certeza de seu futuro no 250 Supercross Championship - não apenas porque o onipotente Jeremy McGrath estava saindo de seu sétimo título de Supercross, mas porque o 250 Supercross era outro animal. Ricky Carmichael duvidava que ele tivesse o que era preciso em termos de habilidade em corrida, proeza física ou comprimento da perna para vencer o Campeonato de Supercross.

JEREMY ERA O HOMEM A VENCER, E KAWASAKI ENTENDEU QUE RICKY NÃO ESTAVA GELANDO COM O 2000 KX250.

Kawasaki sentou Ricky Carmichael e eles trabalharam em um plano que daria a ambos o que eles queriam. O primeiro passo foi construir para Ricky uma moto que pudesse derrubar o Rei do Supercross. Esta é a história do que foi necessário para construir uma bicicleta para Ricky que pudesse fazer o trabalho - e acredite, não foi uma tarefa fácil. 

MXA reuniu-se com o gerente da equipe de corrida da Chevy Trucks Kawasaki de 2001, Bruce Stjernstrom, para detalhar uma das motos de corrida mais icônicas da história da AMA.

Ricky Carmichael teve alguns vislumbres de grandeza na temporada de 2000 Supercross com a Kawasaki, vencendo o Daytona Supercross e subindo ao pódio seis vezes na série de 16 corridas no KX250. Mas, Jeremy venceu 10 eventos principais e esteve no pódio em todas as 16 corridas, exceto duas. Jeremy era o homem a ser batido, e a Kawasaki entendeu que Ricky não estava brincando com o 2000 KX250. Após a conclusão da temporada de 2000, Ricky, Bruce e Norm Bigelow se encontraram na sede da Kawasaki no SoCal. Eles perguntaram a Ricky o que ele precisaria para ter sucesso no Supercross. Ricky foi muito claro sobre o que queria. “Temos que abaixar a traseira desta moto, porque o assento continua me batendo na bunda e me derrubando dos pés”, disse Ricky. A Kawasaki imediatamente começou a trabalhar para resolver os problemas de Ricky.

KAWASAKI TINHA MUITOS VÍDEOS, E ASSISTIU A TÉCNICA E A BICICLETA DE McGRATH PARA VER COMO A SUA BICICLETA FUNCIONA E PORQUE ELE ERA TÃO BOM. ALGUMAS DAS MUDANÇAS FEITAS DA EQUIPE ESTAVAM DIRETAMENTE LIGADAS A VER O VÍDEO DE McGRATH.

Para esse fim, a Kawasaki contratou Craig Decker como piloto de testes. Decker e Ricky pedalaram muito juntos até que Craig sentiu que poderia imitar o estilo de pilotagem de Ricky. O engraçado é que Craig Decker tem 6 pés de altura e RC tem 5 pés e 6. Durante a temporada AMA National Motocross de 2000, enquanto Ricky e a Team Chevy Trucks Kawasaki estavam nas corridas, Norm e Decker trabalharam na construção de uma moto competitiva de Supercross para Ricky correr em 2001.

No final da temporada de motocross (que Ricky venceu), a equipe pediu a Ricky que viesse à Califórnia para testar o que eles haviam construído. Após o primeiro dia, Carmichael disse à equipe: “Posso vencer nessa coisa”. A equipe mencionou brincando o US Open da pós-temporada em Las Vegas como um teste para a moto. Uma coisa levou a outra, e a equipe começou a correr. Ricky foi dominante e mostrou que estava muito mais perto de ser um candidato em 2001. Havia uma ressalva - Jeremy McGrath não estava no US Open, e Jeremy era o único cara que a Kawasaki estava mirando.

Mais mudanças foram feitas do Aberto dos EUA para Anaheim 1. Carmichael sentiu-se extremamente confiante para as corridas. Na abertura da temporada de 2001 em Anaheim, Ricky terminou em terceiro, mas Jeremy venceu. No fim de semana seguinte em San Diego, Ricky venceu e McGrath foi o terceiro. A terceira corrida, de volta ao Estádio de Anaheim, McGrath venceu novamente, mas Ricky foi o segundo. A quarta corrida foi em Phoenix, e Ricky venceu com Jeremy em segundo. O verdadeiro teste viria em Anaheim 3, porque Jeremy McGrath venceu oito vezes em Anaheim. O Anaheim 2001 de 3 foi o ponto de virada para Carmichael. Ele ganhou, o que aumentou sua confiança. Deste ponto em diante, Ricky e a equipe sabiam que poderiam vencer! Na semana seguinte, ele terminou em primeiro e teve que vir da parte de trás do campo. No final da corrida, ele enfrentou McGrath pela vitória. Ele passou a ganhar as próximas 13 corridas consecutivas! Ele venceu 14 das 16 corridas de Supercross naquela temporada.

A Kawasaki mostrou a Ricky vídeos do YZ250 de Jeremy McGrath passando pelos gritos em 2001. Em 2002, quando Ricky se mudou para a Honda, eles mostraram vídeos do YZ250 de Chad Reed passando pelos gritos.

Ricky Carmichael venceu o Campeonato de Supercross de 2001, e a equipe sentiu que havia feito um bom programa. A Kawasaki tinha muitos vídeos e eles assistiram a técnica e a moto de McGrath para ver como sua moto funcionava e por que ele era tão bom. Algumas das mudanças que a equipe fez estavam diretamente ligadas à exibição dos vídeos de McGrath. Bruce lembrou-se de ir às corridas e dizer: “Ricky vai vencer a menos que estraguemos tudo”. O objetivo era garantir que a moto fosse perfeita para Ricky em todas as corridas. Não era apenas McGrath que estava andando bem. Windham, Larocco, Tortelli e Vuillemin estavam todos muito bem. Era um campo empilhado.

Ricky amadureceu como piloto naquela temporada. Ele contratou Aldon Baker durante a temporada ao ar livre e baixou a cabeça para ser o mais apto de todos. Porque Ricky não é um piloto muito grande, ele teve que ser mais forte. Melhorar sua força permitiu que ele manobrasse a moto da maneira que quisesse. Isso e as melhorias da Kawasaki levaram a vitórias na pista.

Ricky Carmichael

O JAPÃO DISSE À EQUIPE QUE O QUADRO DE 1998 TEVE ALGUMAS PEQUENAS DIFERENÇAS EM COMPARAÇÃO COM OS QUADROS DE 1999 A 2001. MAIS NOTÁVEL, A SUSPENSÃO TEVE UMA ALTURA DE PASSAGEM MENOR DO QUE OS QUADROS MAIS NOVOS.

Enquanto a moto estava passando por testes e desenvolvimento, a Kawasaki teve muitas discussões com os engenheiros japoneses da KHI (Kawasaki Heavy Industries). O Japão disse à equipe que o quadro de 1998 tinha uma pequena diferença em comparação com os quadros de 1999 a 2001. Mais notavelmente, as posições de suspensão no quadro de 1998 tinham uma altura de deslocamento menor do que os quadros mais novos. Craig Decker testou o quadro KX1998 de 250 e teve certeza de que era uma configuração melhor para Ricky. A equipe também usou hastes de tração mais longas para diminuir ainda mais a altura do passeio, e a altura do amortecedor foi encurtada enquanto o subquadro foi reduzido em 5 mm. Quando a equipe terminou, Ricky conseguiu sentar na moto com os pés quase no chão!

No entanto, essas mudanças no quadro levaram a algumas complicações com outras áreas da moto. Em primeiro lugar, o assento não se encaixava bem. A equipe teve que fazer uma nova base de assento. A espuma no assento teve que ser cortada também. Norm cortava a espuma com uma faca elétrica antes das corridas. Quase não havia espuma na coisa. Bruce disse que Ricky tiraria o assento da moto de corrida e o levaria de volta para a Flórida. Ele andava no assento a semana toda e o trazia de volta no fim de semana seguinte para as corridas. Ele gostou da sensação. Era tudo uma questão de abaixar a traseira da moto. Além disso, Ricky teve uma queda de 112 mm!

Com a moto alta na frente e ultra baixa na traseira, ficou muito mais fácil para Ricky passar pelos gritos. Ele sempre foi bom nas curvas e se sentiu tão rápido quanto o próximo cara nessa área. Mas ele acreditava que lidar com os gritos e áreas mais ásperas da pista o colocava em desvantagem. Quanto à configuração da suspensão traseira de Ricky Carmichael, a equipe usou muito amortecimento de rebote. Ele iria descer e ficar para baixo! Uma vez que o assento, a subestrutura e o amortecedor mais curto foram montados, não havia espaço para a caixa de ar. A Kawasaki teve que ter uma caixa de ar de fibra de carbono especialmente moldada para caber no espaço que eles mesmos haviam deixado. Bruce disse MXA que de todas as modificações que eles fizeram para qualquer piloto específico da equipe Kawasaki ao longo dos anos, o KX2001 de 250 de Ricky teve o maior número de personalizações. E, quando Ricky se mudou para a Team Honda, não demorou muito para que a moto vermelha fosse abaixada e o guidão revertido.

O motor KX2001 de 250 de Ricky bombeou (na época) 47 pôneis colossais.

A Kawasaki sentiu que o pacote do motor era muito bom. Eles não gastaram muito tempo se preocupando com o poder. Eles conseguiram algumas peças SR do Japão, uma das quais era um carburador TPS. Ele tinha um CDI programável, e a equipe poderia mapeá-lo para colocar a potência no lugar certo para o estilo de pilotagem de Ricky. Havia alguma preocupação de que eles pudessem estar pressionando as regras da AMA sobre o que uma bicicleta de “produção” legal da AMA exigia. A Kawasaki conversou com a AMA sobre todas as modificações que estavam fazendo porque queriam ter certeza de que o KX2001 de 250 de Ricky fosse aprovado e não houvesse risco de protesto ou penalidade. Os fixadores de titânio encheram a bicicleta e ajudaram a diminuir o peso para apenas 2 libras acima do limite de peso legal da AMA. A equipe usou caixas laterais de magnésio e grampos triplos (com deslocamento de 22 mm). Bruce nos disse que a fábrica KX250 de Ricky produzia 47 cavalos de potência, grandes números há 21 anos, mas o KX2022 450 da equipe está produzindo bem mais de 60 cavalos de potência.

QUANTO À CONFIGURAÇÃO DA SUSPENSÃO TRASEIRA DE RICKY CARMICHAEL, A EQUIPE EXECUTA MUITO AMORTECIMENTO DE REBOQUE. VAI BAIXAR E FICAR BAIXO!

A Chevy Trucks era o principal patrocinador da equipe na época. A Kawasaki trabalhou em estreita colaboração com a Chevrolet na aparência da moto. Originalmente, o departamento de marketing da Chevy deu à equipe um logotipo do lado automotivo. Você mal podia vê-lo na moto, e isso era um problema. A equipe da Kawasaki não queria perder o patrocínio da Chevy por não conseguir exposição suficiente, então a Kawasaki olhou para toneladas de amostras de cores para ter uma ideia para um novo design de logotipo. A equipe criou um logotipo amarelo e laranja brilhante com um contorno preto. Chevy disse: “Essa não é a nossa cor”. A Kawasaki explicou que estava ciente disso, mas disse à equipe de marketing da Chevy que era muito mais fácil de ver do que o logotipo atual na moto. Demorou um pouco para obter a aprovação de uma corporação gigante como a Chevrolet, mas, engraçado o suficiente, a Chevy acabou adotando o logotipo projetado pela Kawasaki em alguns de seus outros patrocínios esportivos. Além disso, a Factory Effex, fornecedora gráfica da Kawasaki, estava preocupada que, se vendessem gráficos Kawasaki de reposição com o logotipo da Chevy, os proprietários de caminhões Ford e Dodge não comprariam gráficos da equipe deles. Essa preocupação desapareceu quando os gráficos da equipe com o logotipo da Chevy se tornaram seus kits mais vendidos de 2001. E, ainda hoje, em 2022, você vê os gráficos da Chevy Trucks em construções vintage de dois tempos em todo o país. Tornou-se icônico.

Em 2001, Ricky só perdeu duas corridas de SX naquela temporada. Ambos foram para McGrath.

Olhando para a ascensão de Ricky, a Kawasaki sabia que Ricky tinha suas dúvidas sobre o quão bom ele poderia ser no Supercross. Ele sabia que era bom no motocross, mas não achava que o Supercross favorecesse os pilotos curtos. Kawasaki disse a Ricky que eles acreditavam nele e sabiam que ele poderia vencer. A equipe sentiu que, se ele ficasse mais forte, melhoraria instantaneamente dentro de casa. Foi aí que Aldon Baker entrou na arena do motocross e fez seu nome. 

Quando o Kawasaki KX2002 de 250 foi lançado, ele se beneficiou de muitas coisas em que Ricky trabalhou em 2001, e a equipe conseguiu traduzi-lo para a próxima geração do Kawasaki KX250. Mas, Ricky Carmichael não estava lá para aproveitar as novas motos de produção. Ele havia saltado do navio para a Equipe Honda. A equipe Kawasaki agora estava se concentrando em sua próxima estrela em ascensão, James Stewart. O plano era ter um quatro tempos pronto em 2005, mas a equipe teve que esperar. O Kawasaki KX250 a dois tempos teve muito sucesso antes de ser colocado no pasto. Jeff Emig, Jeff Ward, James Stewart e Ricky Carmichael são apenas alguns dos notáveis ​​do KX250.

No início dos anos 2000, os pneus Bridgestone eram os pneus de eleição dos pilotos de fábrica.

Bruce disse MXA que quando ele olha para trás na era de Ricky Carmichael no KX250, ele fica surpreso com o quão bom Ricky era. Bruce disse que Ricky era “um piloto super dedicado e faria qualquer coisa para vencer. Ele absolutamente odiava perder. Ele fez grandes coisas pela Kawasaki.”

Ricky mudou-se para a Honda no ano seguinte e depois para a Suzuki antes de chamar de carreira. Ele se tornou o "GOAT" em grande parte por causa de seu domínio no campeonato no KX250 em 2001 contra o Rei do Supercross - Jeremy McGrath.

você pode gostar também