FLASHBACK SEXTA-FEIRA | JEAN-MICHEL BAYLE RECORDA CORRIDA NA AMÉRICA

Jean-Michel Bayle (22), Jeff Ward (3), Jeff Matiasevich (20).

Há poucas dúvidas de que Jean-Michel Bayle foi mal tratado pelos fãs americanos de motocross quando ele veio do Campeonato do Mundo para correr nos EUA. Jean-Michel venceu o Campeonato Mundial FIM 1988 de 125 e apoiou-o no Campeonato Mundial FIM 1989 de 250. Antes do início da temporada de 1989, Bayle sinalizou sua intenção de se mudar para a América em 1990, disputando as sete primeiras Supercrosses de 1989, uma AMA 250 National e quatro AMA 500 Nationals. Ele venceu o 250 National e dois 500 Nationals, ficando entre os cinco primeiros sete vezes em 7 corridas. Em 12, ele se mudou para a América em período integral, terminando em segundo na série AMA Supercross e em quarto na AMA 1990 Nationals. Então surgiu 125 e o resto é história. O que se segue é a história pessoal do JMB sobre corridas na América.

“Quando criança, eu sonhava em vir para os Estados Unidos e competir com os melhores caras do mundo. Quando fiquei mais velho, estava na equipe Honda da fábrica na Europa. Roger DeCoster estava trabalhando para a American Honda na época. Foi perfeito para mim, porque Roger era um grande fã meu. Essa relação me facilitou a participação na equipe de corridas da Honda nos Estados Unidos. Não apenas eu realizaria meu sonho, mas seria capaz de correr com uma Honda, que na época era a melhor moto da pista.

“Não foi fácil mudar para os EUA. Poucos pilotos antes de mim fizeram a mudança da Europa para a América. Eu realmente não sabia o que esperar. Muitos fãs americanos não estavam acostumados a competir na Europa em suas séries. Você deve se lembrar que, durante esse tempo, os pilotos americanos estavam dominando tudo em todo o mundo. Entrar na cena americana e desafiar os principais americanos como piloto francês foi difícil para muitos fãs americanos aceitarem.

“Ricky Johnson foi meu principal concorrente quando participei das corridas da AMA Supercross e National. Então, depois que Johnson se machucou em 1989, Jeff Stanton se tornou meu maior inimigo. Ele era muito duro, assim como Damon Bradshaw. De maneira alguma foi fácil vencer; no entanto, consegui ganhar três títulos em 1991. Naquele ano, fiquei feliz em ganhar a coroa do 250 Supercross e, depois de ganhar o título da National 250, fiquei realmente interessado em também conquistar o título da AMA 500. Eu sabia que podia rodar 500 muito bem, então foi ótimo juntar todos esses títulos no mesmo ano.

“As coisas mudaram para mim depois que ganhei esses títulos em 1991. Não foi fácil ganhar tudo como piloto francês. Os fãs não gostaram de mim e se expressaram. Essa é uma grande razão pela qual parei tão rápido e segui para uma carreira em corridas de rua. Talvez se as coisas fossem mais fáceis para mim, eu teria ficado e corrido mais um ano ou dois, mas havia muita pressão e não me senti bem-vinda nos Estados Unidos. Honestamente, foi um pouco como uma guerra entre os fãs e eu; no entanto, esse não foi o meu caso. Minha paixão era competir nas séries AMA National Motocross e AMA Supercross. Não decidi me mudar da França com o objetivo específico de derrotar os americanos. Eu vim para os EUA para competir contra os melhores pilotos do mundo. As pessoas não entendiam que eu estava honrando os pilotos americanos, querendo correr contra eles.

“É fácil vir para os EUA como piloto, se você não está ganhando corridas. Então, quando você vence corridas, as coisas ficam mais difíceis. As pessoas tratam você de maneira diferente. Isso é normal, eu acho. Os Estados Unidos são um país muito grande e todas as pessoas têm muito orgulho de serem americanas. Eu tenho muito respeito pelo povo americano. Meu avô lutou na Segunda Guerra Mundial com tropas americanas. Nós respeitamos a América. ”


FLASHBACK FRIDAY // ARQUIVO COMPLETO DE MOTOCROSS

FLashback sexta-feiraJEAN-MICHEL BAYLERicky JohnsonThor-flashback