FLASHBACK SEXTA-FEIRA: 1985 RODIL CUP

A Fédération Internationale de Motocyclisme (Federação Internacional de Motociclismo, ou FIM) tem se interessado pelas corridas nos Estados Unidos há algumas décadas. Atualmente, eles são uma parte vital da série World Grand Prix (MXGP). Tem havido muitas tentativas da FIM de incluir corridas adicionais na temporada AMA Supercross - a mais recente sendo a Campeonato Mundial de Supercross. Apesar de eliminar as corridas fora da temporada em 2008, a série seria disputada algumas corridas antes da queda do portão em Anaheim em janeiro. Antes do Campeonato Mundial de Supercross houve outra tentativa, a Copa Rodil.

Em 1985, os americanos eram conhecidos por sua velocidade. Em vez de americanos irem aos GPs para competir com os melhores, vieram muitos europeus. A FIM criou uma série de três corridas conhecidas como Campeonato Mundial de Supercross ou Copa Rodil. As duas primeiras corridas foram realizadas no exterior com a final no Coliseu de Los Angeles. O evento final contou com um início escalonado, onde haveria duas quedas de portão. O lado direito da casa do cachorro cairia cinco segundos após o lado esquerdo. O promotor Mike Goodwin decidiu também experimentar outra ideia, um início invertido. Normalmente no Supercross, a melhor posição na qualificação ganha o primeiro gate pick. O segundo melhor fica com a segunda escolha e assim por diante. Em um portão isso não é um grande problema, mas este evento teve dois portões. Com uma partida invertida, as duas melhores posições seriam movidas para o segundo portão. Isso foi determinado pela posição da corrida de calor e não pelo tempo de qualificação.

A ideia de Goodwin era começar com os 10 melhores americanos cinco segundos atrás dos pilotos europeus. Isso daria aos meninos do outro lado do lago uma ligeira vantagem, pois eram mais lentos. A ideia fracassou profundamente em um tecnicismo. Scott Burnworth seria o primeiro a descobrir a brecha. O líder, Johnny O'Mara, saiu correndo pelo portão e manteve uma forte liderança. No meio da corrida, ele percebeu o que estava acontecendo. O europeu Eric Geboers percebeu a tática de O'Mara rapidamente. O vencedor da bateria, Aj Whiting, teria que descobrir o que estava acontecendo após o término da corrida.

A segunda corrida de bateria teve um efeito dominó. O líder de pontos, Jim Holley, tinha pouco com que se preocupar na terceira corrida, porque ele teria uma péssima largada. O Campeão Nacional da AMA de 1985, Ron Lechien, entretanto, teve um bom começo. Algumas voltas antes da bandeira quadriculada, Lechien fingiria uma parada. Isso levou o europeu Jon Van Denberk a fingir uma lesão comparável à de um jogador da Copa do Mundo da FIFA. Phil Larson assistiu a tudo se desenrolar diante de seus olhos, mas iria desistir e levar a vitória.

Jeff Ward faria a manobra com mais graça na quarta bateria. A pista no coliseu saiu do estádio em um ponto e Ward decidiu se esconder lá para deixar os pilotos passarem. Um frustrado Rick Johnson (que venceu a primeira bateria) primeiro criticou Lechien e O'Mara, chamando-os de frango, o insulto definitivo dos anos 1980. Enquanto Johnson teve uma vitória razoavelmente fácil na primeira bateria, ele correu sem compromisso. Após seu discurso na televisão, Johnson começou a falar com os fãs para desafogar sua frustração. O discurso foi muito mais memorável do que o evento principal que Jeff Ward iria ganhar.

FLashback sexta-feiramag ação de motocrossmxaSUPERCROSS