HUNTER LAWRENCE EM SEU ÚLTIMO GP, O MXDN E MOVENDO A AMÉRICA

Por Eric Johnson

O QUE ACONTECE, CAÇADOR? VOCÊ TEM ALGUNS MINUTOS? Sim, claro, tenho mais de alguns minutos. Eu tenho seis horas.

ONDE VOCÊ ESTÁ INDO? Estou indo para a antiga casa de Kenny Roczen.

ONDE FICA ISSO? Estou em Lommel, na Bélgica, e daqui a cinco horas e meia. É 550 quilômetros a leste na Alemanha. Eles estão no lado leste da Alemanha. Foi aí que Kenny cresceu. Há uma pista lá e uma academia e outras coisas que eu morei lá por dois anos. É legal.

Hunter (96) agarrando o tiro na Argentina.

VOCÊ COLOCOU O OITAVO GERAL NO ASSEN GP COM 6-10. O que deu errado?
Cara, honestamente, foi o fim de semana mais frustrante mental da minha carreira. Foram apenas movimentos de cabeça de osso. Honestamente, nunca estive tão perto e na velocidade da areia em comparação com os meninos da KTM e Husqvarna. Sempre. Em Assen, eu tinha toda a velocidade do mundo. Deveria ter sido uma vitória geral para mim ou pelo menos um segundo geral em minha mente. Durante todo o fim de semana, no pré-treino, no tempo e na qualificação, o pior momento que recebi foi o quinto e o aquecimento foi no sábado. Prática cronometrada, eu era o segundo. Então, na corrida de qualificação, acabei de ser limpo no início. Eu vi algumas fotos bem legais minhas sendo atropeladas. Acabei indo do último ao nono. No domingo, no aquecimento, eu era o terceiro e estava me sentindo bem e não estava me pressionando. Nas corridas, eu estava procurando duas partidas que eu estava rezando o ano inteiro. Na moto um, fui o segundo e passei por Jorge Prado na terceira curva e liderava. Quando tentei uma linha diferente, ele me recuperou. Eu empurrei para recuperá-lo e meio que me forcei a cometer um pouco de erro. Eu me levantei na quarta. Então eu tentei passar por Thomas Covington. Eu era mais rápido que ele, mas corri um passe e acabei batendo novamente. Acabei em sexto na moto um. Na segunda moto, eu estava realmente motivado e ansioso para voltar lá e não cometer esses erros novamente. Tive outro começo incrível e fiquei logo atrás de Prado em segundo. De lá, eu caí. Eu tive que vir do passado e, honestidade; foi apenas um pesadelo com meus movimentos de cabeça de osso. Eu apenas me envergonhei.

O GP FINAL DO ANO É ESTE FIM DE SEMANA NO AUTODROMO ENZO E DINO FERRARI EM IMOLA, ITÁLIA. Esse será o meu último GP na Europa. Eu realmente quero me sair bem no último. Estou ansioso para isso. Estou ansioso para me mudar para a América. Quero dizer, estou super empolgado por ir para lá e fazer parte da equipe da Geico Honda.

Hunter Lawrence no MXDN 2017 em Matterley Basin.

No último ano, o MOTOCROSS DES NATIONS colocou você no mapa. PRONTO PARA ACESSAR NOVAMENTE? Exatamente. Mal posso esperar. Será a minha primeira corrida com a nova equipe, então quero me sair bem. Ser capaz de representar a Austrália novamente incrível. Isso é algo que você sonha quando criança. Quando você é criança, pensa em como seria doente competir pelo seu país no nível mais alto do esporte. É como um sonho tornado realidade.

Você ficou surpreso ao ver que CHAD REED NÃO ESTAVA COLOCADO NA EQUIPE AUSTRALIANA? Sim, com certeza. Todo mundo tem seus pensamentos sobre isso. Eu acho incrível que ele ainda queira correr. Na idade dele, ele ainda acha que conseguiu - e ele faz. No ano passado, no Motocross des Nations, em Matterley, Kurt Gibbs foi muito bom no sábado e no domingo, na primeira moto, ele também foi muito bom. Esse foi o seu primeiro Motocross das Nações, então eu acho que, por sua performance naquele evento, foi tipo, 'Ei, ele ganhou seu lugar em 2019'. Ok, ele sofreu ferimentos este ano, o que é meio chato, mas eu também tive ferimentos. E Mitch Evans, nosso terceiro cara no time, subiu para os 450 neste ano e foi o único cara a ficar com Dean Ferris no campeonato australiano. Tanto quanto Chad e o Motocross das Nações, sim, existem emoções contraditórias para todos. Estou ansioso para vê-lo competir na Monster Cup pela JGR na semana seguinte às Nações. Boa sorte para ele.

No pódio em verde e amarelo.

A EQUIPE GEICO HONDA ESTÁ PRONTA PARA APOIAR A SUA NO RED BUD MXDN? Sim. Meu contrato atual é encerrado em 1º de outubro. Portanto, será minha primeira corrida com a equipe, então é legal. Estou ansioso para isso. Todo mundo lá é bem legal. Vou trazer meu mecânico de corrida deste ano que o matou. Não tivemos problemas de bicicleta ou problemas. Também me dará essa confiança para trabalhar com uma das melhores equipes do mundo.

Qual é a sua opinião sobre os caras que você formará contra a classe 250 no Red BUD? Estou animado para competir com Plessinger. Eu tenho corrido com todos os outros caras da classe o ano todo. O único cara que eu vou correr que eu nunca corri antes é AP. Eu acho ótimo que eu possa competir com ele e apenas ver onde estou antes de realmente começarmos a trabalhar. Estou animado para ver qual é o nível americano. Eu quero vencer. Estou correndo pela Austrália e por mim.

VOCÊ PODE INVESTIGAR O BOTÃO VERMELHO? Sim, eu assisti o Red Bud National no início deste ano. A equipe me convidou para ir ao Red Bud para ter uma idéia da pista e para ter uma idéia do National. A primeira corrida da AMA que eu assisti foi incrível. Foi uma corrida que eu assisti quando criança enquanto crescia. Para finalmente experimentar, foi muito legal. É uma sensação boa. A pista parece muito legal e eu gosto de como eles usam a paisagem natural.

O QUE É O MASTERPLAN DE HUNTER LAWRENCE A SEGUIR O MOTOCROSS DES NATIONS? Vou sair ao sol de Cali e sentir como é a vida na Califórnia. Estamos arrumando a casa na Europa. Sim, está tudo acontecendo. Estamos jogando todas as nossas coisas em duas malas e mudando de país novamente. Não sei explicar como estou feliz. Isso é o que eu sempre quis e que tudo finalmente esteja em movimento é inacreditável.

AARON PlessingerChad ReedGeico Hondahonda. equipe australicaçador lawrencemotocross des NationsmxdnBOTÃO VERMELHO