ENTREVISTA DA MXA: JUSTIN HILL FALA NO ORIENTE / OESTE OCIDENTAL

2018 Supercross viu corridas emocionantes misturadas com resultados surpreendentes. E tem sido assim nas duas 250 costas e na 450 classe premier. Um piloto que viu sua parte nos resultados foi o piloto da Autotrader / Yoshimura / JGR, Justin Hill. Embora Justin tenha começado sua defesa do título no 250 West com o tempo de qualificação mais rápido, sua primeira corrida foi considerada medíocre. Nas próximas corridas, Justin não estava nem perto do pódio, o que muitos coçavam a cabeça. No entanto, ele mudou as coisas em Oakland com um pódio, e depois venceu o evento principal no fim de semana seguinte em San Diego. Algumas semanas depois, em apenas sua segunda vez em uma corrida de 450, o jovem de 22 anos venceu seu calor e conseguiu o que poucos fizeram neste ano - competindo com Marvin Musquin e Eli Tomac. Uma gorjeta no meio da corrida o colocaria em sexto lugar; mas Hill notou que ele estava mais do que pronto para a aula 450. no fim de semana seguinte em Atlanta, Justin qualificaria um 2º incrível. Atlanta parecia repetir Tampa até que um acidente o deixou de lado. Agora, algumas semanas após seus 450 sucessos, alcançamos Justin pouco antes de voar para Indianápolis para o confronto entre as 250 Leste e Oeste.

JIM KIMBALL

Justin, vamos começar com isso; FALANDO COM VOCÊ UM CASAL DE ANOS, VOCÊ ME DISSE QUE VAI MONTAR 450 POÇOS, E PELOS OLHOS DO TAMPA SUPERCROSS QUE VOCÊ PROVAVA! Quando eu tinha cerca de quatorze anos, fiz a transição de uma 85cc para as grandes. Por algumas semanas, rodei 125 duas tacadas. Decidimos que tínhamos de fazer uma escolha sobre o que íamos rodar e escolhemos a Suzuki. Então, compramos a Suzuki, e a primeira moto que usei foi a RM-Z2008 450 com injeção de combustível. Meu pai e eu estávamos viajando por causa da injeção de combustível. Estávamos sentados lá com ele, e apenas começamos. Estávamos literalmente tentando enganar o acelerador e fazê-lo atolar como um carburador. Fomos lançados para uma pirueta, pois não iria atolar, e simplesmente pegou. Você apenas tenta enganá-lo, ele ainda faz boom e se fecha. E o que aconteceu comigo quando montei foi que imediatamente desenvolvi um estilo muito calmo e muito suave. Dirigir aquela bicicleta na carne do poder onde ela pertencia funcionou incrível. Não atingiu meu pai e eu até que realmente começamos a correr nele e começamos a nos dar bem. Sempre tentei em toda a minha carreira amadora ter 450 por perto. Eu queria tentar continuar sendo bom com eles. Eu rodei a 450 em uma pista de Supercross. Meu pai estava me observando e disse: “Cara, esse é o ingresso. No dia em que você pilotar um 450 no Supercross, as pessoas vão pirar. ” De tudo que montei, foi nisso que eu simplesmente pulei e abri as comportas. Até hoje, aquele foi o momento decisivo de me tornar o que sou, no que diz respeito a saber que era isso que eu deveria fazer. Ainda é um momento de muito orgulho para mim, subir naquela moto, andar de Supercross e desenvolver essa ideia. Tenho esperado ansiosamente a hora de chegar. Acho que vai ser um futuro muito brilhante com Joe Gibbs Racing, especialmente porque sou um grande fã da moto e parece funcionar muito bem no Supercross. No futuro, espero fazer essa bicicleta líder.

NÃO Lembro que você corria com 450 como profissional antes da TAMPA. Eu corri contra a Monster Cup uma vez em uma volta de 450 em 2014 em uma KTM. Todo mundo estava pirando, porque eu fiquei em segundo na primeira moto para Canard, e depois fiquei em segundo na moto 2 com Trey vencendo novamente. Ninguém se lembra, porque eu entrei na primeira curva na última moto. Com a velocidade que eu tinha, eu teria terminado na frente do geral, o que obviamente teria chocado a todos. Eu realmente não penso nisso como uma verdadeira corrida de especificações, porque não há gritos. É um pouco uma pista híbrida, mas eu sabia o que era bom e sabia que quando chegássemos a uma corrida do Supercross, eu poderia andar bem, então estou feliz em geral por ter ido e pilotado o 450 na época . Eu realmente senti que tinha velocidade para vencer todas as vezes que andava naquela bicicleta.

NO PRINCIPAL EVENTO DE TAMPA, Lembro-me de que você estava lutando muito bem com Marvin Muschin e Eli Tomac.  Foi divertido. Eu sabia que estava indo rápido o suficiente, e sabia que se pudesse sair na frente, provavelmente poderia fugir por causa do ritmo com o quad que estava fazendo. Eu tinha isso no bolso e pensei “Preciso surpreender esses caras, pegá-los quando eles abaixarem as calças e começar a andar”. E foi isso que fiz no início. Obviamente, eu tinha aquele pequeno check-up com Marvin, que acabou com qualquer esperança de vitória. Mas mesmo naquele momento, não fiquei chateado só porque senti o gostinho de correr na frente com a Suzuki 450. Sei que no futuro será assim, mas melhor, e estarei mais contente enquanto faço isto. Eu estava empolgado por poder fazer exatamente como havia imaginado por tanto tempo.

 Eu sabia que estava indo rápido o suficiente e sabia que, se eu pudesse sair na frente, provavelmente poderia fugir por causa do ritmo com o quadriciclo que estava fazendo.

O que os caras do JGR estavam dizendo de volta nos boxes? Esses caras estavam nas minhas costas o tempo todo. Eles sabiam que eu ia me sair bem, e não foi um choque para eles que isso estivesse acontecendo. Foi legal e todo mundo estava bem animado. Eu acho que isso fez todo mundo relaxar um pouco, porque a Suzuki tem a nova moto e eles realmente querem ter uma 450 forte. Comigo indo bem e mostrando muita velocidade, acho que isso acabou com todos. Eu queria mostrar que eu poderia ser realmente bom, e talvez eles relaxassem

E WESTON PEICK CONSEGUIU VENCER UMA CORRIDA DE CALOR EM DALLAS. Sim, antes de começar a pedalar, ele ganhou um. Ele está indo muito bem naquela moto. Ele tem sido um top cinco sólido durante toda a temporada, e muitos estão olhando para ele. O cara está sempre conseguindo finalizações excelentes, lutando contra coisas idiotas que sempre acontecem. Ele é duro e tem um ótimo preparo físico. Acho que, para falar a verdade, a equipe seria tola se não o tivesse novamente na próxima vez.

Vamos voltar para a classe 250. AS PRIMEIRAS CORRIDAS DE CASAL PROVAMOS SER DESAPONTÁVEIS PARA VOCÊ, MAS ENTREGUE NO PÓDIO E ENTÃO GANHOU UMA VITÓRIA Eu acho que era apenas uma daquelas coisas que levaria um pouco de tempo, no entanto, você olhou para ela. Começamos um pouco no escuro e você nunca sabe como são as coisas até correr. Até a primeira corrida do ano passado, quando ganhei o título, foi terrível. Eu cheguei em quinto, mas sinceramente com a quantidade de caras que temos agora com ele deveria ter sido um final pior. Esse deveria ter sido um oitavo ou nono lugar. Basicamente, o que me ocorreu foi que a competição havia ficado mais dura; portanto, se você não está no seu jogo, recua ainda mais. no que diz respeito ao ano que vem e sem melhorar, não acho que tenha acontecido algo que não precise acontecer. Tudo aconteceu por uma razão. Eu gostaria que isso pudesse ter acontecido um pouco mais cedo, mas, como está, na verdade nem estou fora da disputa pelo título, por isso não destruímos completamente nossa chance. Era apenas uma coisa em que eu precisava pegar o que tinha e me acostumar um pouco. Queria me sair tão bem e sair balançando, e definitivamente acho que estava tentando me preparar demais, devo dizer. Eu estava tentando fazer a bicicleta fazer algumas coisas, mas eu só precisava que ela fosse equilibrada. Eu só precisava que fosse do jeito que eu costumo configurar as coisas. Tomei algumas etapas extras que acho que me machucaram no final do dia para o início da série.

Os 250 rapazes da costa leste fizeram muito bem, pelo menos antes que Jimmy Decoctis se machucasse. Os dois caras da costa leste foram ótimos. Kyle (Peters) acabou de dar uma volta muito boa em St. Louis e estava derrubando a porta para um pódio agora. Foi uma viagem incrível para ele, especialmente porque ele teve algum tempo de corrida em outro lugar (Austrália), e acho que ele pode ter se esquecido um pouco. É isso que espero, que as pessoas reconheçam que ele é bom. Você sabe como é; se você se sair bem, as pessoas ligam para você e querem colocar suas coisas em você. As pessoas querem colocar logotipos no seu capacete, e todo esse tipo de coisa, então é isso que espero Kyle. Mas, por mais que você olhe, Kyle está fazendo a moto parecer boa. Definitivamente, está colocando silêncio em muitas pessoas que pensaram que seria ruim.

CONTINUANDO COM A CLASSE 250, VOCÊ PENSA QUE O ESPORTE É UM POUCO DE VOLTA NO QUE PARECE TER DE FICAR NA CLASSE 250 POR MUITO TEMPO? Você sabe, essa é uma boa pergunta. Minha experiência pessoal é que eu quero estar naquele 450 absolutamente o mais rápido possível. Eu montei alguns dos melhores 250, e não gostei de pilotar nenhum deles. Eu gostei de pilotar o 450, e isso é exatamente quem eu sou. Se você olhar para um cara como Martin Davalos, não sei se ele está tentando correr com um 450. Talvez ele esteja tentando, mas eu não sabia. Tanto quanto o que parece estar acontecendo, ele tem uma longa carreira na classe 250. Talvez isso seja bom para ele; é tudo sobre o que você deseja.

 Se você olhar para um cara como Martin Davalos, não sei se ele está tentando correr com um 450. Talvez ele esteja tentando, mas Eu não poderia te contar.

NO PASSADO, PARA A PARTE MAIS PARCIAL, PARECEU QUE OS CAVALEIROS QUERIAM SE ALTERAR PARA A CLASSE PREMIER O MAIS LOGO POSSÍVEL. AGORA A CLASSE 250 PODE SER UMA CLASSE DE CARREIRA. É que as coisas mudaram. Por exemplo, há muito tempo, se alguém dissesse que venceu um campeonato de luzes (125/250) que nem sequer significava nada, porque não é como é agora. Agora é como você está dizendo, é uma classe de carreira agora. É apenas um negócio muito maior. As pessoas estão sendo bem pagas para participar desta aula. Assim que houver dinheiro envolvido, todo mundo vai se juntar a ele. É assim que é. Parece haver mais relevância em ter uma equipe bem-sucedida de 250 pessoas, e não é tanto quanto uma aula de trampolim, como talvez devesse ser. deve ser uma aula de trampolim. Eu não acho que você deva gastar muito tempo nele, mas sou apenas eu porque, quando se trata disso, os verdadeiros mocinhos precisam fazer isso no 450. E isso exige que você seja forte, exige que você seja durável e exige que você seja muito eficiente, porque é apenas uma classe diferente. Eu acho que é um pouco crime deixar alguém que pode andar de bicicleta ficar para baixo para sempre. Eu acho que seria perfeito se fosse como o GP, você tem 25 anos e sobe. Eu não acho isso difícil; Eu acho que é uma regra muito fácil de fazer. Não é complicado de entender, mas agora é super complicado, as regras de elegibilidade. Então, você chega a uma posição em que as pessoas nem querem ligar para um cara porque acham que talvez sejam elegíveis. Talvez uma equipe de 450 não queira nem ligar para alguém, porque acha que ainda é elegível para uma pequena bicicleta e continuará no ar. É muito complicado para este setor já complicado como ele é.

Voltando para você e agora, o 250, você ainda tem uma chance legitima de defender o seu campeonato, certo? O que se resume é que eu tenho que vencer algumas corridas, especialmente no que diz respeito ao desempate. Esta corrida (Indy) pode agitar as coisas, mas também pode agitar as coisas da maneira errada. Você nunca sabe o que poderia acontecer, então você realmente não pode pensar muito sobre isso. O principal é apenas tentar começar bem e tentar ganhar corridas. É tudo o que posso fazer, então não estou pensando nisso. Não penso neste campeonato há algum tempo e a principal razão para isso não é porque não me importo com isso, mas porque estou tentando me concentrar no que é importante para todos; que é apenas eu continuando a crescer e melhorar. Não consigo nem pensar em defender um campeonato se estou aqui sentado preocupado com isso, e não apenas preocupado comigo mesmo. Todo mundo volta um pouco enferrujado do intervalo, e você nunca sabe o que pode acontecer. Então, eu só estou tentando voltar o melhor que posso e espero conseguir algumas vitórias!

Monster Energy Supercross 2018entrevistasJustin Hill