ENTREVISTA MXA: HEIKKI MIKKOLA O HOMEM DE AÇO


JIM KIMBALL

HEIKKI, COMO COMEÇOU SEU INTERESSE PELAS BICICLETAS SUJAS? Comecei a andar na moto do meu amigo na floresta perto da minha casa. Fiz três corridas nele e depois comprei para mim. Era uma Greeves, boa para todo-o-terreno, mas não uma verdadeira moto de motocross. Quando comecei nas corridas de motocross, a Husqvarna fazia a melhor moto do mundo naquela época. Por fim, consegui economizar algum dinheiro e depois vendi os Greeves para comprar um Husqvarna.

COMO OS MOTOCROSS SE DESENVOLVEM DE UM HOBBY PARA UMA CORRIDA MAIS SÉRIO? Mesmo na minha primeira corrida, estive bem e feliz com a minha pilotagem. Ao mesmo tempo, também estava envolvido em outros esportes, mas tinha a sensação de que o motocross era o esporte em que eu era melhor. Meus outros esportes eram salto de esqui, beisebol e esqui cross-country.

QUANDO VOCÊ PERCEBEU QUE OS MOTOCROSS PODEM SE TORNAR SUA PROFISSÃO? No começo, eu só andava por diversão. Só corri na Finlândia, mas em pouco tempo estava ganhando tudo em meu país. Comecei a pensar em disputar as corridas do Grande Prêmio que aconteciam perto da Finlândia. Fiz isso por alguns anos antes de decidir que estava pronto para correr todo o Grand Prix. 

HUSQVARNA FEZ PARA VOCÊ UM CONDUTOR DE FÁBRICA E PAGOU IMEDIATAMENTE? Não. Nos meus primeiros anos, eu estava me dirigindo para as corridas do Grande Prêmio. O único dinheiro que recebi veio do prêmio em dinheiro que ganhei. No começo foi difícil, porque eu não tinha muito dinheiro. Quando comecei a competir em todas as corridas do Grande Prémio, comecei a fazer muito melhor e a fábrica viu a possibilidade de eu ser Campeão do Mundo.

VOCÊ ESTAVA CORRENDO HUSKYS QUANDO AS MARCAS JAPONESAS APARECERAM NA CENA DO GRAND PRIX. COMO FOI ISSO? Por volta de 1971 ou 1972, as marcas japonesas entraram no motocross. Primeiro, foi a Suzuki, e eles rapidamente contrataram os pilotos belgas que estavam rodando CZs, mas a Yamaha contratou apenas um piloto. Esse foi o cavaleiro sueco Hakan Andersson. A Yamaha Monoshock foi desenvolvida em 1972, e Andersson se saiu muito bem nela; mas, em 1973, melhorou significativamente, e naquela moto Andersson era virtualmente imbatível. 

“NO COMEÇO, EU SÓ PASSEI PARA ME DIVERTIR. SÓ CORRA NA FINLÂNDIA, MAS ANTES DE MAIS ESTÁ GANHANDO
TUDO NO MEU PAÍS DE ORIGEM. ”

Heikki Mikkola explode no jardim da cerveja em Namur.

FOI DIFÍCIL ACEITAR A PERDA PARA O MONOSHOCK YAMAHA DE ANDERSON? Sim, um pouco, mas para a temporada de 1974, a Husqvarna e a Suzuki trabalharam arduamente para serem competitivas. O novo Husqvarna tinha amortecedores traseiros movidos. Então, com todos nós com máquinas mais ou menos iguais, muitas vezes os motos desciam até as últimas duas voltas. Embora muitos de meus concorrentes estivessem cansados, eu não estava cansado. É verdade que a minha moto nem sempre foi a melhor, por isso confiei no meu treino de 1974, 1975 e 1976 antes de assinar com a Yamaha, que foi provavelmente a melhor moto com que alguma vez corri.

VAMOS RECAPITAR SEUS PRIMEIROS ANOS. EM 1973, VOCÊ GANHOU O CAMPEONATO INTER-AM 250. QUAIS SÃO AS SUAS MEMÓRIAS DESTA SÉRIE? Achei que fosse em 1971 (rindo). Mas sim, foi a primeira vez que passei um tempo na América. As faixas eram boas e parecidas com as da Europa. Nós viajamos para todos os lugares de carro. Acho que o Supercross estava chegando, mas nunca vimos uma corrida de verdade.

POR QUE VOCÊ NÃO CORRIDA A SÉRIE DE TRANS-AMA MAIOR? Eu corri com o Trans-AMA em 1971 e 1972, mas a série Inter-AMA foi no verão, e o Trans-AMA foi após a temporada de GPs no outono. Foi nessa época que gostei de caçar na Finlândia. Caçar foi uma grande paixão para mim. Naquela época do ano, eu estava farto de motocross. Eu dediquei bastante do meu tempo a isso.

1974 FOI UM ANO MUITO GRANDE, QUANDO VOCÊ SE TORNOU O CAMPEÃO MUNDIAL DE 500cc. O QUE ESTÁ PARA FORA DE 1974? Toda a grande competição, especialmente todas as batalhas que tive com Roger DeCoster. Roger era um competidor tão bom, feroz, mas não um piloto sujo.

“TIVE PROBLEMAS COM A MINHA BICICLETA, ESPECIALMENTE COM OS CHOQUES. TIVE CHOQUES DE MENINA INGLESA, E ESTES QUEBRARAM QUASE
TODA VEZ. EU ESTARIA GANHANDO E ENTÃO SEM CHOQUE MAIS. ”

Heikki Mikkola conversa com o companheiro de equipe da Husky, Bengt Aberg, sobre o que fazer com os novos Suzukis.

O QUE ACONTECEU NA TEMPORADA DE 1975? Tive problemas com a minha bicicleta, principalmente com os amortecedores. Eu tive choques de English Girling, e eles quebraram quase todas as vezes. Eu estaria ganhando, e sem choques mais. Em muitas corridas, eu estava liderando por uma grande margem e, na marca de 30 minutos, Roger DeCoster me ultrapassou porque meus choques explodiram. Nas últimas três corridas, comprei amortecedores Hulco de fabricação holandesa e comecei a ganhar novamente, mas era tarde demais para o campeonato.   

EM 1976 VOCÊ MUDOU PARA A CLASSE 250 E GANHOU O CAMPEONATO! Pediram-me para descer para 250 porque Husqvarna disse que vendiam mais 250 do que 500 e era melhor para os negócios. Sim, ganhei o Campeonato Mundial de 250 e isso criou uma grande campanha de marketing para a Husqvarna, já que ninguém jamais havia vencido os Campeonatos Mundiais de 250 e 500. Foi bom vencer, mas eu teria preferido ficar na classe 500.  

FOI ISSO QUANDO AS BICICLETAS JAPONESAS MELHORARAM MAIS DO QUE AS BICICLETAS EUROPEIAS? Sim, certamente o progresso foi muito melhor nas motos japonesas. A Yamaha me pediu para assinar com eles em 1977, 1978 e 1979. Eu já sabia que a Yamaha era uma grande motocicleta. Além disso, a equipa Yamaha foi muito profissional, com muitos engenheiros diferentes a trabalhar nela. Para a temporada de 1977, a Husqvarna iria cortar o orçamento das corridas. E a Yamaha estava muito determinada a dar uma lição à Suzuki, por isso empenharam-se muito na produção da melhor moto. 

FOI UMA MUDANÇA DRÁSTICA DE HUSKY PARA YAMAHA? Quando vim para a Yamaha e comecei a testar as motos pela primeira vez, era muito diferente de com a Husqvarna. Na Husqvarna tínhamos um mecânico para cinco pilotos diferentes e na Yamaha era o contrário; tínhamos cinco mecânicos para cada piloto. Tínhamos um mecânico do motor, um mecânico da suspensão, um mecânico de corrida e um mecânico de treino. 

Quando Heikki mudou para a Yamaha Monoshock com tanque de correia, ele era a força dominante em 1978.

A EQUIPE YAMAHA ESTÁ ABERTA A ACEITAR SUAS SUGESTÕES DE COMO MELHORAR A BICICLETA? sim. Cada vez que íamos pedalar, testávamos a moto. A moto pode nunca ter sido 100 por cento perfeita, mas tentamos constantemente torná-la cada vez melhor. E isso foi possível porque eu tinha muitas pessoas trabalhando juntas para melhorá-lo. Se eu dissesse a eles que devíamos tentar alguma coisa, eles ficavam acordados a noite toda trabalhando nisso. 

EM 1977, VOCÊ GANHOU O CAMPEONATO MUNDIAL 500 NO SEU PRIMEIRO ANO NO YAMAHA. Sim, foi muito bom ter me mudado para a Yamaha em 1977, mas quero destacar uma coisa. No primeiro Grande Prêmio de 1977 na Áustria, eu estava em terceiro lugar na primeira moto. Perguntei à equipa Yamaha se estavam bem por ter terminado em terceiro. Afinal, eu estava em uma bicicleta nova. Eles disseram: “Ei, cara, não; não está certo não ganhar! ” Venci os próximos seis 500 GPs. DeCoster já havia sido campeão mundial tantas vezes, as pessoas acreditavam que ele não podia cometer erros, mas estavam erradas.

Equipe Finlândia no Motocross des Nations. Heikki é o número 31.

EM 1978, VOCÊ ERA O CAMPEÃO DO MUNDO 500 DE NOVO E NINGUÉM PODERIA VENCER VOCÊ. Em 1978, já era tricampeão mundial. Aprendi que, para voltar a ser campeão, precisava marcar pelo menos 20 pontos em todas as corridas. Esse era o meu objetivo em 1978. Minha moto estava ótima e meu condicionamento físico era bom. 

VOCÊ GANHOU O GRANDE PRÊMIO DOS ESTADOS UNIDOS UMA VEZ. COMO FOI ISSO? Acho que ganhei uma corrida em Carlsbad. Não tenho certeza, mas acho que sim. (Nota do editor: Heikki venceu o USGP de 1978.) Foi Gerritt Wolsink quem foi tão forte em Carlsbad. Muitos pilotos queriam ganhar Carlsbad, já que foi televisionado na ABC, mas isso não importava para mim. Eu queria vencer todas as corridas! O GP de Carlsbad foi muito difícil, porque estava muito quente. A ABC teve grandes problemas com seu equipamento de televisão e, antes de uma das corridas, estávamos no portão de largada por 45 minutos. Estava tão quente que nossos mecânicos colocaram cubos de gelo nas costas de nossas camisetas.

 

“EM 1978, EU JÁ ERA TRÊS CAMPEÕES MUNDIAIS. EU APRENDI QUE PARA SE TORNAR O CAMPEÃO
MAIS UMA VEZ, TIVE QUE MARCAR PELO MENOS 20 PONTOS EM CADA CORRIDA. ”
 

VOCÊ ACABOU EM QUINTO EM 1979  500 CAMPEONATO MUNDIAL E APOSENTADO. PORQUE? Bem, em 1979 eu já tinha 34 anos e sentia que o esporte não era para um velho como eu. É para os meninos. Senti que não iria mais ganhar campeonatos mundiais. Talvez eu pudesse ter ficado entre os cinco primeiros, mas eu só queria correr para ganhar. 

VOCÊ AINDA PODERIA ESTAR CORRENDO, GANHANDO E GANHANDO DINHEIRO. A Yamaha ofereceu-me um contrato para 1980, mas não o assinei. Além disso, quebrei minha perna no início da temporada de 1979 e nunca mais foi a mesma. Eu não estava 100 por cento e minha perna doía constantemente. Minha sensação era de que meu tempo havia acabado. Eu apenas parei. Se eu não pudesse vencer, não me importava. O dinheiro não foi minha motivação. Às vezes penso comigo mesmo: “Por que parei tão cedo?” Mas, então, digo a mim mesmo: "Está tudo bem."

VOCÊ AJUDOU A DESENVOLVER MOTOCROSS PARA SINISALO. VOCÊ GOSTOU DISSO? Sim, o Sinisalo morava na Finlândia e eles começaram a fazer roupas de motocross na mesma época que eu entrei no esporte. Foi ótimo estar envolvido com o Sinisalo. Mais tarde, John Gregory comprou equipamentos de Sinisalo com o nome JT Racing, e eu o ajudei também. Basicamente, todo o tempo que corri estive com o Sinisalo. John Gregory de JT foi inovador e, quando vim para a América, sempre conheci John. Mais tarde, o negócio de engrenagens mudou, e a JT Racing parou de ter Sinisalo fazendo suas engrenagens. 

NÃO HÁ UM INCIDENTE LOUCO QUE ACONTECEU QUANDO VOCÊ USOU A CALÇA SINISALO EM UM GRANDE PRÊMIO? Sim, todos corriam com calças de couro nos primeiros dias do motocross. Sinisalo foi o primeiro a lançar calças de náilon. Eu as usei pela primeira vez na Bélgica, e os organizadores da corrida disseram que eu não poderia correr com as calças porque eram calças de náilon. Eu disse: “Ok, se não posso correr com calças de náilon, então não corro”. Quando os espectadores souberam que eu não iria competir, eles quiseram o dinheiro de volta. Os organizadores vieram até mim e disseram: “Tudo bem, você pode fazer essa corrida usando essas calças, mas não depois desse evento”. Depois disso, usei-os em todas as corridas!

Heikki diz que não se lembra de ter visto um Supercross, mas este é Heikki (20) no Superbowl.

“EU ESTAVA EM UM ACIDENTE COM MUITOS OUTROS CAVALEIROS NO PRIMEIRO LAP. QUANDO ACHEI MINHA MOTOCICLETA, ESTAVA NO ÚLTIMO LUGAR. NA LINHA DE FINALIDADE, EU ESTAVA EM SEGUNDO, APENAS ATRÁS DE BRAD LACKEY, QUE GANHOU O MOTO. ”

POR FALAR DE INCIDENTES LOUCOS, UM MÉDICO NÃO PRECISAU ESTALAR SEUS OLHOS NO GP ITALIANO? sim. No Grande Prêmio da Itália de 1974, minha moto ficou sem gasolina na primeira moto, mas eu empurrei a linha de chegada e ainda terminei em segundo. Então, na segunda bateria, perto do final da corrida, parei na área de mecânica para que colocassem gasolina suficiente para terminar a corrida. Neste ponto da corrida, eu não conseguia ver muito bem com toda a lama em meus olhos, e então meu mecânico acidentalmente jogou gasolina em meus olhos. Ganhei a segunda bateria e a geral, mas fui imediatamente ver o médico da pista. Ele estalou meus olhos e os enxaguou. Gerrit Wolsink tinha tanta lama nos olhos que o transportaram para o hospital.

Dê um nome ao seu competidor mais resistente, ano favorito e corrida mais memorável. Havia muitos grandes pilotos naquela época, mas Roger estava sempre lá. Meu ano favorito foi 1978, é claro. Naquele ano fui muito mais forte do que os outros pilotos. Mas também foi bom ganhar minha primeira vitória em um Grande Prêmio em 1974 e, em seguida, vencer o Campeonato Mundial de 250 em 1976 com a Husqvarna. A única corrida que se destaca é o British 500 Grand Prix. Tive uma queda com muitos outros pilotos na primeira volta. Quando encontrei minha motocicleta, eu estava em último lugar. Na linha de chegada, fiquei em segundo, atrás apenas de Brad Lackey, que venceu a moto. Mais uma volta e acredito que teria vencido. Foi uma corrida muito boa.

Os fãs apreciam os pilotos que dão tudo de si, e Heikki fez exatamente isso.

APÓS SUA APOSENTADORIA, VOCÊ FICOU COM YAMAHA PARA AJUDAR DANNY LAPORTE A SE TORNAR O CAMPEÃO DO MUNDO DE 1982 250. Sim, meu piloto era Danny LaPorte. Eu realmente gostei de meu tempo com Danny, e ele queria aprender tudo o que pudesse. Ele foi incrível para ganhar o Campeonato Mundial. Eu estava muito orgulhoso dele. Trabalhei para a equipa Yamaha GP durante três anos, mas parei porque a minha família precisava de mim para gerir o negócio da família. Agora, com 75 anos, não trabalho mais. Meu filho está cuidando da minha agricultura. Estou apenas olhando para a fazenda da janela [rindo] Tenho uma esposa maravilhosa, junto com meu filho e duas filhas. Estou aproveitando minha aposentadoria com esqui cross-country e caça. Meus joelhos não estão tão bons como costumavam ser, mas por causa dos meus hobbies, minha forma física permaneceu boa.

Correr no início dos anos 1970 não era fácil. Veja a roda traseira do Husky de Heikki quicando em um pequeno solavanco quando ele cruza a linha de chegada.

HEIKKI, COMO ESTÁ OS MOTOCROSS NA FINLÂNDIA ESTES DIAS? Não é muito grande. Temos pilotos competindo, mas não tantos grandes pilotos. O povo finlandês não se interessa mais por motocross. Hoje pode haver 200 pessoas participando de uma corrida finlandesa. Quando eu corri, havia 10,000 pessoas presentes. 

“O ESPORTE MUDOU; AS BICICLETAS SÃO MELHORES; AS FAIXAS  NÃO É NATURAL MAIS; E A SUJEIRA ESTÁ
MUITO SUAVE. VOLTAR QUANDO 
EU ESTAVA CORRENDO, VOCÊ TINHA QUE SER FEITO DE AÇO. ” 

VOCÊ SEGUE MOTOCROSS OU SUPERCRUZ ESTES DIAS? É difícil acompanhar o motocross na Finlândia. Não há mais muitos GPs realizados aqui. Eu poderia assistir aos Grands Prix na televisão, mas preferia estar fora do que dentro assistindo televisão. O esporte mudou; as bicicletas são melhores; as pegadas não são mais naturais; e a sujeira é muito lisa. Quando eu estava competindo, você tinha que ser feito de aço.

ELES O CHAMARAM DE “A FINN FEROZ” E “A FINN VOADORA”, QUE NICKNAME VOCÊ PREFEROU? Eu gostava de “The Flying Finn”, mas o que quer que deixasse outras pessoas felizes, para mim estava bom. Meus amigos me chamam de “Hessu”.

Heikki e Roger eram amigos fora da pista, mas não dava para perceber isso na pista.

COMO UMA DAS LENDAS, COMO VOCÊ QUER SER LEMBRADO NA MOTOCROSS? Eu amei motocross! Dediquei minha vida ao motocross. Ganhei campeonatos, mas nunca entrei em festas, mulheres ou carros caros. Eu quero contar uma história do último GP de 1974 em Luxemburgo. Roger DeCoster liderava a corrida, mas sua moto quebrou perto do final da corrida. Naquele momento, me tornei Campeão do Mundo. No paddock, Roger estava lá para me cumprimentar com uma garrafa de champanhe. Bebemos juntos. Essa pode ser minha memória favorita!

Campeão do mundo 500heikki mikkolaHusqvarnamotocrossRoger Decostero feroz finno finn voadoryamaha