ENTREVISTA MXA: JUSTIN HILL EXPLICA SEU RETORNO À SUPERCROSS UM ANO DEPOIS

ENTREVISTA JUSTIN HILL: DE VOLTA À CORRIDA PARA A TEMPORADA DO SUPERCROSS 2022

Você pode dizer que o ano passado foi muito louco para Justin Hill. Pouco depois de ele e sua esposa terem sua primeira filha, antes do início da temporada de 2021, Justin se afastou de sua carreira e pensou que nunca mais correria no AMA Supercross. Ele se tornou xerife em seu estado natal, Oregon, e iria realizar seu sonho de trabalhar na aplicação da lei. No entanto, como muitos outros pilotos sentiram, aquela certa coceira que é difícil de descrever voltou para o número 46 como uma oferta tentadora entrou em cena. Agora, Justin está de volta às duas rodas e se preparando para ter uma temporada de sucesso de Supercross a bordo da Kawasaki KX450 da Team PRMX. Mas a decisão não foi fácil, nem o processo para chegar lá. Conversamos com Justin para saber mais sobre seu retorno às corridas de 2022.

MXA PODCAST | ENTREVISTA COMPLETA DE ÁUDIO COM JUSTIN HILL 

O QUE FEZ VOCÊ VOLTAR DEPOIS DO HIATUS?

“Cara, houve muitos motivos. Eu desisti, estava meio de saco cheio como se não tivesse o desejo de voltar ao esporte. Você tem que ser muito dedicado e deixar tudo para fora nos dias de treinos e nos dias de corrida. Quando eu tive minha filha, nós nos acomodamos um pouco, e então era quase hora de trabalhar novamente. Sempre planejamos correr este ano [2021], mas infelizmente, houve um punhado de negócios estúpidos. Você sabe, apenas coisas realmente típicas, como coisas em que eu normalmente ficaria tipo, 'sim, eu vou jogar.' ” 

“E percebi que dediquei muito tempo a isso e não estava se materializando da maneira que eu realmente queria. Na época, eu queria fazer um programa fora do Oregon enquanto o tempo estava bom e a situação do contrato simplesmente não estava acontecendo. Fiquei girando meus polegares e não queria deixar minha esposa sozinha com nosso primeiro filho. Eu meio que percebi que não precisava mais disso. Vou passar um tempo com minha família e meu irmão foi a primeira pessoa para quem disse que estava me aposentando. Ele me deu a resposta típica de Josh sabendo qual é o meu potencial e ele quer que eu faça o meu melhor. Ele disse: “Não, você não está. Você não terminou. Você está competindo este ano. ” 

Justin estava anteriormente na equipe MotoConcepts / Smartop / Bullfrog Spas em 2020. 

“E eu disse a ele [Josh Hill] que, a essa altura da minha vida, você poderia me dar um dos melhores negócios do mercado e eu provavelmente não o faria. Os negócios surgiram e encontraram seu lugar na minha caixa de entrada, mas eu só queria ser um verdadeiro operário. Eu só queria sair com meu filho. Anos antes, eu tinha muito mais motivação para perseguir esse tipo de negócio e estava realmente motivado em cada etapa da minha carreira, mesmo até o ano passado e 2020. ”

“Eu também estava muito animado em minha carreira. Tive algumas finalizações bastante sólidas e estava começando a bater na porta dos cinco primeiros. Durante meu intervalo, eu não fui muito vocal sobre minha situação nas redes sociais, ou sobre qualquer coisa, porque eu não sou realmente um cara de mídia social, mas depois de perder a opção de pedalar por um longo período de tempo foi muito punitivo. nas rodadas finais de 2020 em Salt Lake City [durante a primeira paralisação da Coivd]. A mudança de elevação, tempo zero de bicicleta, três corridas por semana, foi uma sentença de morte. ”

Justin Hill não correu em 2021, mas está voltando para a temporada de 2022 Supercross com a equipe PRMX Kawasaki. 

“Todo o trabalho que fiz no início e no meio da temporada não se refletiu em meu desempenho em Salt Lake. Foi tão frustrante. Quando mais oportunidades surgiram [para a temporada de 2021], quase parecia que eu devia algo, uma chance de provar meu valor novamente. Mas não aconteceu pelos motivos certos e na hora certa, pois tudo acontece por um motivo ”.

“Nunca fui tão abençoado por perder um ano de corrida. Em um ponto, eu estava realmente questionando o que estava fazendo e tinha que fazer algo que sempre quis fazer. Entrei para a Polícia de Oregon, o que foi uma bênção. Tenho 26 anos e nunca estive tão feliz em me machucar e me esforçar para ficar em uma boa posição onde estou agora. Fisicamente e mentalmente. Eu não machuco um dedo do pé há 3 anos, na verdade. Tenho muita sorte de não sair do esporte com uma lesão. Minha última lesão real teria que ser em 2019, quando machuquei meu ombro, mas fora isso, eu não têm quase não teve um arranhão desde então. "

Justin está planejando competir apenas no Supercross em 2022. A última vez que ele pilotou ao ar livre foi em 2019 a bordo da JGRMX Suzuki.

QUANTO RIDING VOCÊ TEM FAZENDO ATÉM?

“Bem, passou de, estou feito, certo? Vou só passar um tempo com minha filha, não quero nem olhar para uma motoqueira. Vou apenas usar meu tempo para ser um homem de família. Passou disso a perguntar se meu irmão está cavalgando hoje e lenta mas seguramente aquela coceira começou a voltar novamente. Big Hill Jam apareceu e foi a primeira vez que eu cavalguei em muito tempo. Levei meu primo para um passeio em nossa propriedade em minha bicicleta. Big Hill Jam veio, coloquei um pouco de equipamento e cheguei ao pé de 220 e me senti bem. Pensei comigo mesmo: “isso é estranho, eu não deveria estar fazendo isso”. Na época, eu estava indo para a academia, levantando peso, tentando ser um homem forte. Obviamente, isso é horrível para motocicletas, por isso não pensei que me sentiria tão bem. Mas me senti tão bem e feliz com isso. Meu amigo, Brad Grimes, estava começando um lugar chamado Moto Five Four One em Central Point Oregon. ”

“Ele basicamente pegou essa terra nua que era como um parque de diversões de condado e começou a desenvolver esse lugar para treinar. Todas as semanas eu voltava e vocês podiam ver o desenvolvimento da pista em tempo real acontecer a cada sete dias. Eu montei lá várias vezes antes de Top Gun aparecer, onde outro frito meu, Brad, estava montando uma equipe. Eles perguntaram se eu queria entrar e eu disse que sim, mas estou muito mal preparado. Estou pensando comigo mesmo: “De jeito nenhum terei chance de derrotar esses caras do ar livre”. Sempre há um grupo sólido de caras que corre lá. Depois da corrida, fiquei louco. Foi o primeiro olhar que vi em mim mesmo, onde havia visto qual era o meu nível de pilotagem e isso apenas me incomodou. Tenho muitos anos nisso e sou muito capaz para me sentir assim quando faço isso no meu auge físico. Então isso me deixou muito animado, eu pensei "Acho que quero fazer isso de novo". E então realmente aconteceu por causa disso lugar no sul da fronteira. ”

Justin em 2017, quando pilotou para Mitch Payton a bordo do Pro Circuit construiu KX250. Agora Justin está de volta ao verde.

ONDE VOCÊ ESTÁ MORANDO AGORA?

“Estou morando e treinando no South of the Border MX. Eles não tinham um programa oficial de Supercross acontecendo antes, mas agora meu melhor amigo Matt Bisceglia [que é um treinador na SOBMX] explicou: “Ei Ryan está fazendo um programa de Supercross, um programa legítimo. E também tem essa equipe que vai sair daqui. ” Imediatamente tive um bom pressentimento sobre isso porque, como muitos pilotos sabem que moram na Califórnia, você passa quase o dia inteiro no carro. Você mora em Temecula, cavalga em Hemet, San Bernardino ou qualquer outro lugar, então a loja de corrida fica em Corona e você tem que ir à academia em Menifee. Parece contraproducente ficar sentado no trânsito o dia todo. Há muitos caras que fazem isso, mas não há dúvida de que custa um pedágio em você. ”

“É realmente adormecido ter todas essas coisas em um lugar em um centro de treinamento. Onde eu moro fica a 200 metros da academia, a 200 pés da academia fica a oficina de corrida, a 500 metros da esquerda estão minhas duas pistas de Supercross, XNUMX metros à minha direita está uma piscina onde eu faço todas as minhas corridas de velocidade. . Demora tanto que você pode apenas se preocupar com o trabalho. Então essa é a história de como toda essa coisa do PRMX surgiu. Julien, o dono da equipe me pegou. Para ser honesto, eu realmente não sabia muito sobre a equipe. Eu tinha visto o Cade Clason e alguns outros caras andando de moto, eu sabia que a MX-Tech fazia a suspensão e tinha ouvido muitas coisas boas sobre ele, sobre o Jeremy. Então eu estava interessado. ”

“A primeira vez que falei com Julien, disse a ele que não vou queimar embreagens e que há algumas coisas em que vou ser fácil, mas disse:“ Vou destruir suas coisas. Vamos dar voltas fortes e estarei em muito boa forma ou isso não é um negócio para mim e você. ” Ele estava todo empolgado com isso e eu disse: “se você puder permanecer animado com isso, então seremos bons”.

Justin também fez parte do time RedBull KTM ao lado de rostos familiares como Shane McElrath, Jessy Nelson e Cole Seely.

VOCÊ SERÁ SUPERCROSS APENAS PARA 2022?

“Sim, eu só estarei fazendo Supercross a partir de agora. Com a forma como as coisas vão, pode haver a possibilidade de eu fazer algumas coisas canadenses, mas com a forma como as coisas estão agora, eu gostaria de fazer mais algumas coisas para meu irmão, como Big Hill Jam, e estar muito mais envolvido com o evento. Quero fazer alguns eventos divertidos, não quero sair da bicicleta de maio a setembro. Quero me manter ativo, isso só torna mais fácil voltar ao ritmo das coisas quando você está pilotando, em vez de começar do zero. Se tivermos um bom ano e decidirmos fazê-lo novamente, estarei em uma posição muito melhor para fazê-lo novamente. ”

COMO ESTÁ O KAWASAKI KX450?

“A moto é sólida. Muitas das bicicletas hoje em dia são construídas para uma potência mais suave para o cara normal. Depois, há a Kawi e a Honda e, obviamente, a Yamaha, como a conhecemos. A Honda 2020 em que eu estava pilotando bate muito forte e a Kawi bate muito forte. E então, no alcance médio, o Kawi explode com força. Estamos tentando diminuir a potência e temos alguns caras sólidos trabalhando no motor e na suspensão. Antes de assinar com a equipe, eu saí e passei uma semana testando a moto para ver se valia a pena. ”

“Depois de 10-15 minutos na moto, senti-me bastante confortável e fiquei surpreendido. Os caras da MX-Tech estavam lá para ver se eles podiam me levar no estádio de onde eu queria que a moto estivesse e eles me levaram lá. Tenho feito ajustes desde então e teremos outro dia de teste em algumas semanas. Uma coisa que torna os testes e o desenvolvimento da moto complicados é o quão melhor estou cada vez que dirijo e fico mais confortável. É complicado quando você está tentando desenvolver a suspensão, porque talvez eu não esteja dizendo a eles a coisa certa ainda, porque não estou bem onde deveria estar. Eu acredito nesses caras no que diz respeito à suspensão e estou muito animado para trabalhar com eles. Acho que estou lidando com alguns caras espertos e acho que eles precisam de alguém que acredite neles e todo mundo vai ficar muito surpreso com o programa. Isso me tirou do vazio, de não fazer essa coisa de jeito nenhum. Essa foi a única opção que considerei com base em todos os fatores. Sobre o que esta equipe é, sobre o que eles podem fazer por mim, sobre o que South of the Border está fazendo por mim, Ryan Shaffer e todos eles aqui. Esta é uma compilação de coisas que me fazem dizer: “Ok, vou fazer isso, é um negócio incrível”.

Assim como seu irmão Josh Hill, Justin tem muito estilo na moto.

“Passei muito tempo na Kawasaki. Sinceramente, a maior parte das minhas carreiras adultas em corridas rápidas foi gasta no verde. Eu conheço as características deles, eles não têm muitos grandes inconvenientes, e você já está perto de onde gostaria de estar apenas pulando em um deles. Gostei muito da Honda. Eu gostei da KX250, da KTM 250 e agora desta moto, eu definitivamente diria que essas são minhas quatro melhores motos, se você quiser. ”

“Quer eu fique aqui por um ano, dois, três ou quatro, seja o que for, espero que no dia de minha partida, eles olhem para trás e pensem:“ Sim, ganhamos muito com isso. Nós ganhamos muito com Justin estar aqui. ” É engraçado porque vejo algo de uma maneira muito simples. Eles têm peças? Eles têm um cara de suspensão? Eles tem um caminhão? Verifique, verifique, verifique. Tudo bem, bem, eles vão ser legais e trabalhar com todo mundo? Porque isso é importante e, até agora, é isso que estou experimentando. ” 

“Eu cresci muito no último ano de várias maneiras e ser pai é um grande problema. Estou pronto para tomar algumas decisões difíceis e ser um adulto. Eu fiz isso quando criança por muitos anos e agora simplesmente não sou o mesmo cara. As coisas são diferentes. O respeito à carga de trabalho também está nessa mesma categoria de mudanças. Estou sendo muito metódico sobre o que está em meu programa e o que não está. Até agora, estou fumado, mas senti falta dessa sensação. É bom ser fumado e ter que se preparar e fazer de novo. ”

“Estou amarradão cara, acho que temos uma chance real disso, sabe, como eu disse, eu não faria isso apenas aparecer. Eu senti como se estivesse em uma posição onde eu faria isso apenas para aparecer no ano passado. Agora eu tenho aquele desejo ardente de volta. Estou realmente querendo fazer isso. ”

VOCÊ ESTÁ COM O SEU AMIGO MATT BISCEGLIA QUE É TREINADOR DA SOBMX TAMBÉM.

“Sim cara, acho que isso vai surpreender muita gente também, porque acho que algumas pessoas provavelmente estão dormindo neste centro de treinamento também. Quando eles virem o que faremos aqui, não só eu também. Você sabe, nós temos Brandon Ray e Justin Rodbell e Justin Thompson e acho que temos Hunter Sales e temos outro filho, Julian, do Canadá que também vai cair. Então, temos um monte de caras que acho que você vai gostar. Até agora, eu fiz mais exercícios e sessões de treinamento e voltas com esses caras do que sem eles. Já estamos meio que nos unindo e fazendo esses programas juntos. ”

Justin HillJustin Hill PRMXbisceglia matemxaPRMXPRMX Kawasakisobmxsul da fronteira mxSUPERCROSSEquipe PRMX