ENTREVISTA NICK ROMANO: FAZENDO GRANDES IMPRESSÕES COMO NOVATO

ENTREVISTA NICK ROMANO: FAZENDO GRANDES IMPRESSÕES COMO NOVATO

Um aspecto da série Lucas Oil Pro Motocross que sempre esperamos é ver os novos estreantes na classe 250, pois muitos esperam que o ar livre em vez do Supercross se torne Pro. Um desses pilotos é o piloto amador do ano de 2021, Nick Romano. Com apenas 17 anos, o nativo de Nova York está há algum tempo na poderosa equipe Monster Energy/Star Racing Yamaha. Agora classificado em décimo primeiro em pontos na perseguição ao título de 250, você pode esperar que Romano só melhore. Nós conversamos com Nick para saber sua opinião sobre sua estreia impressionante e a série até hoje.


JIM KIMBALL

NICK, VAMOS COMEÇAR COM SEU FUNDO. QUANTO TEMPO VOCÊ ESTÁ NO PROGRAMA STAR? Desde o final de 2019, definitivamente já se passaram alguns anos. Eles me contrataram depois do Loretta's 2019. Fui direto de 85 para 250f e decolei de lá. Tive uma boa carreira amadora com eles, e depois uma corrida A super boa com os Minio no ano passado, e foi isso. Bobby (Regan, dono da equipe) disse “vamos correr”. Tem sido incrível até agora com Star.

SEMPRE FOI SEU PLANO SE TORNAR PRO NESTA TEMPORADA OUTDOOR? Eu diria assim. Eu conversei um pouco sobre fazer o Supercross, mas acabei me machucando, então nos concentramos apenas em atividades ao ar livre. Tínhamos planejado a série ao ar livre deste verão por um tempo.

Dois dos pilotos mais jovens lutando, Max Vohland e Nick Romano.

DE VOLTA PARA CASA EM NOVA YORK, COMO VOCÊ TREINOU? Até chegar ao Star, eu estava sozinho. Éramos apenas meu pai e eu. Assim que assinei com a Star, me mudei direto para a Califórnia com a equipe, e fiquei lá por cerca de um ano e meio. Eu sou de Nova York e estava morando na Flórida e em Nova York na época. Na Califórnia, andamos em todas as pistas públicas. Agora fizemos a mudança para a antiga fazenda de cabras. Foi divertido andar com todos os caras no incrível complexo de Ricky. Tem sido incrível.

O DESENVOLVIMENTO DE AMADOR PARA PRO STAR RACING YAMAHA É O MELHOR. Eu penso que sim. Obviamente, quando entrei na equipe, eu estava na classe B e A e eles me prepararam bem para ser um profissional, e esse é sempre o objetivo final de se tornar um piloto profissional de motos de sujeira e ganhar campeonatos para eles. Mas você deve levá-lo passo a passo. Meu treinador Gareth Swanepoel e Bobby Reagan, acreditem em mim, então é legal pilotar para o melhor time aqui no paddock com todos acreditando em você.

A ATMOSFERA DE ESTAR JUNTO NA EQUIPE É REALMENTE BOM? Sim, treinando juntos, poucas outras equipes fazem isso. Eu diria que alguns estão tentando nos copiar. Apenas andar juntos todos os dias e malhar juntos, é grande pensar nisso.  

NO PALA VOCÊ ESTAVA NA FRENTE NA SEGUNDA MOTO, COMO FOI ISSO? Foi uma loucura com certeza. Um dos meus naipes mais fortes são as largadas, mas quero dizer, saindo da primeira curva em primeiro, não pensei que estaria em primeiro na minha primeira corrida profissional. Estava doente. Liderando 2-1/2 voltas e ficando um pouco entre os cinco primeiros, mas infelizmente cansei. Essas são as coisas que eu devo aprender, certo? Esse ritmo é gnarly na frente com todos esses campeões. Foi algo que eu nunca vou esquecer, com certeza.

Nick escapou à frente do pelotão desde o início na primeira rodada da temporada de 2022.

VOCÊ LIDERAVA JETT LAWRENCE. Liderar Jett e todo o bando, foi legal. Eu só queria chegar lá e ver o que eu poderia fazer. Esse ritmo é muito diferente das corridas amadoras. Você tem 20 caras que são a sua velocidade. De onde estou correndo, talvez haja apenas um ou dois caras que são rápidos. Era tão diferente. Aprendi muito e assisti a corrida provavelmente 15 vezes, apenas tentando descobrir algumas coisas. Eu tentei algumas coisas na minha moto no fim de semana passado. Eu sei o que preciso fazer para ficar lá em cima por mais tempo e ver o que posso fazer lá na frente.  

Tanto Nick quanto Nate Thrasher estavam usando pneus de areia.

VOCÊ ESTAVA DESCONFORTÁVEL NA FRENTE, SABER QUE TODOS ELES ESTARIAM CHEGANDO? É difícil colocar em palavras. Fazer o holeshot na minha segunda queda profissional foi bem selvagem. Foi uma experiência louca. Naquela primeira volta, eu nem estava pensando, estava apenas mandando. Eu cruzei a linha de chegada em primeiro e liderei mais uma volta e meia antes de cometer um pequeno erro e Jett me pegou. Então, eu tentei ficar atrás daqueles caras e ver como eles andavam na pista. Nas corridas profissionais você deve ir rápido, mas ao mesmo tempo pensar na pista. Nas corridas amadoras, as motos são tão curtas que você deve martelar e acertar a linha que quiser. Há tantas coisas que aprendi apenas por liderá-lo. Competindo com esses caras, foi surreal.

Nick também conseguiu encontrar algumas batalhas com 250 veteranos como Jo Shimoda.

AGORA VOCÊ PRECISA REPETIR. Eu sei que posso fazer isso. É tão cedo na minha carreira, tenho 17 anos. Eu sei o que preciso fazer para estar mais lá em cima e ver o que podemos fazer no resto da temporada. 

FOI BENÉFICO VER A REPETIÇÃO DA CORRIDA E ENCONTRAR ÁREAS ONDE VOCÊ PODE MELHORAR? Eu sei que tenho aquela velocidade bruta, é só colocar por 35 minutos. Isso virá. Eu só preciso de mais alguns tiros e tempo andando na frente com esses caras.

Escolha uma linha.

COMO AMADOR VOCÊ MONTOU EM ALGUMA DESSAS PISTAS? Eu montei Pala quando morei lá um pouco, mas nunca estive em Hangtown, nunca estive no Colorado. Estive em High Point uma vez e em Red Bud uma vez. Eu nunca estive em Spring Creek. Eu nunca estive em Southwick. Eu nunca estive em Unadilla. São todos novos para mim. É uma loucura o quanto você deve aprender na classe 250 ao praticar com sua moto, você mesmo, a pista, para gelar com seu mecânico. Há tantas coisas para aprender, como fazer uma volta rápida para escolher o portão. É difícil colocar em palavras. Meu principal objetivo é estar em todas as pistas e obter o máximo de experiência possível por um ano ou dois.

EU VI VOCÊ E SEUS COMPANHEIROS DE EQUIPE NO AEROPORTO, VOCÊ PARECIA QUE TODOS SE DÃO BEM. Estamos todos super próximos. Justin Cooper e eu somos ambos de Nova York. Nós crescemos juntos. Quando Levi Kitchen entrou no time, ele foi morar comigo e nos tornamos super próximos. O mesmo aconteceu com Nate quando ele entrou no time, ele foi morar comigo. Nosso relacionamento é definitivamente muito bom para uma equipe de motocross. Queremos a mesma coisa todos os sábados, mas com o time mais jovem, fica muito mais fácil. Não há uma grande diferença de idade. 

PENSE EM TODA A EXPERIÊNCIA QUE OS 450 STARS TEAMmates TÊM. Tomac é uma lenda. Dylan ganhou três campeonatos e Christian acabou de ganhar o título de Supercross, então há campeões ao meu redor, o que é legal de se pensar. Você tem alguns caras fodões em Star Racing. 

VOCÊ TEM ALGUMA EXPECTATIVA EM MENTE SOBRE ONDE VAI TERMINAR? Eu não tinha expectativas para o Pala porque foi o meu primeiro Nacional. Acho que posso ser um dos dez melhores facilmente, mesmo com o tamanho do campo agora. A equipe não me pressionou. Toda a pressão vem de mim mesmo, na verdade.  

Nick pegando um punhado de acelerador na Fox Raceway.

VOCÊ ESTÁ FOCALIZADO NO AR LIVRE AGORA, MAS COMO VOCÊ SE SENTE SOBRE A MUDANÇA PARA O SUPERCROSS NO PRÓXIMO ANO? Acho que vou me sair bem no Supercross. Eu estava no Supercross um pouco em dezembro, e você faz uma volta de sprint ou um tempo de segmento e eu estava lá com Craig e todos aqueles caras. Trata-se apenas de obter essa experiência e colocar as voltas que ainda não tenho. Eu amo Supercros. Sendo que é um evento principal de apenas 15 minutos, muito mais curto, sob as luzes com torcedores lotando o estádio. Acho que vou me sair super bem no Supercross. 

VOCÊ TEVE UMA ESTREIA PRO BASTANTE IMPRESSIONANTE E EU IMAGINO QUE VOCÊ SÓ VAI FICAR MELHOR. AS COISAS ESTÃO BEM? As coisas estão realmente ótimas, e estou fazendo o que amo, pilotando minha moto suja aqui com corridas profissionais. Estou apenas procurando progressão a cada fim de semana. Vamos sair amanhã e pedalar novamente. Estou super empolgado com Red Bud e o resto da série.

Veremos o novato na frente do pelotão com mais frequência à medida que a temporada avança?

entrevistaJim KimballENTREVISTAS MXANick RomanoEntrevista com Nick Romanoestrela de corrida yamaha