ENTREVISTA MXA: HUNTER LAWRENCE ON OZ, GPs & AMÉRICA

Hunter Lawrence no pódio no Motocross das Nações 2017.

O australiano Hunter Lawrence foi o segundo na geral na quarta rodada do Campeonato Nacional AMA 250 no Monte. Morris. O jovem australiano subiu para a sétima posição geral na classificação de 250 motocross. O jovem piloto passou dois anos competindo na Europa antes de ser contratado por Geico Honda para competir nos EUA. Infelizmente, ele se machucou antes do início da série AMA Supercross 2019, então os nacionais são onde ele tem sua primeira chance de mostrar todo o seu potencial.

Por Jim Kimball

VOCÊ PERDEU A MAIORIA DA SÉRIE SUPERCROSS, MAS COMO VOCÊ SENTE SEU PRIMEIRO NACIONAL EXTERIOR EM HANGTOWN? Não foi como eu planejei. Mas a manhã começou bem. Eu era o quinto no meu grupo na classificação, o que foi bom. Fiquei feliz com isso, tendo apenas 5 minutos no dia da imprensa para me acostumar com a pista. Mesmo assim, não tínhamos a faixa completa. Tudo bem, apenas cai nas corridas, e minhas largadas me atrasam. Nós trabalhamos nisso e, depois de Hangtown, também começamos as configurações de bicicleta. Mudamos muito na moto e cheguei a Pala um pouco mais feliz, e isso mostrou que estávamos em uma posição melhor também. Minha pilotagem foi muito boa em Pala. Foi uma pena e um pouco chato que meu filtro de óleo quebrou na primeira moto. Não havia nada que eu pudesse fazer; foi apenas uma vergonha. Thunder Valley foi bom, e High Point foi ótimo, ao vencer uma moto e levar a segunda no geral. Espero que eu possa continuar amarrando duas boas motos e ter duas boas largadas. É isso que pretendo fazer.

Hunter Lawrence_Fox Raceway Pro Practice 6-10-19_-2O estreante da AMA National, Hunter Lawrence, ocupa o 7º lugar na classificação de pontos do Campeonato 250 após a quarta rodada.

NA SEGUNDA MOTO DA PALA, VOCÊ PARECIA SER O CAVALEIRO MAIS RÁPIDO. Eu gosto de pensar que sim! A primeira moto, fiquei super chateada. Eu me coloco em uma posição muito boa. Comecei muito bem graças à minha Honda. Foi muito bom, mas então eu perdi meu óleo. Eu estava pensando sobre a coisa toda, sobre o que poderia ter sido naquele dia. Poderia ter sido um pódio ou talvez até uma vitória. Você nunca sabe, mas que é no passado. High Point funcionou bem. Estou muito feliz, embora desejasse ter começado melhor na moto dois e conquistado a vitória geral. Mas todo fim de semana é um novo fim de semana. Estou ansioso pelo próximo fim de semana e pelo futuro.

QUANTO DIFÍCIL IR PARA O CAMPEONATO DO SEU PRIMEIRO ANO EM UM NOVO PAÍS? É difícil. Eu não estou tentando obter 4 e 5. Eu não estou feliz com isso. Eu quero ganhar, assim como todos os outros. A partir de agora, tivemos um DNF e algumas corridas muito ruins. Definitivamente não é fácil. Estou bem longe em alguns pontos. Agora, é fim de semana a fim de semana.

Hunter Lawrence_2019 Hangtown Press Day-38A vitória de Hunter na primeira moto em High Point confirma que o investimento da equipe Geico Honda no jovem australiano não foi feito em vão. 

Se você estivesse liderando os 250 pontos agora, isso colocaria uma pressão desnecessária em você? Sim com certeza. Depende de quem você é como pessoa. Eu não estava em uma posição como essa antes, então, eu não saberia qual é o sentimento. Eu não experimentei isso, então não posso comentar sobre o que seria.

QUAL A MAIOR DIFERENÇA ENTRE AS CORRIDAS NA EUROPA E NA AMÉRICA? Havia muito mais tempo de pista nos GPs. No sábado, tivemos um treino livre de 20 minutos e um treino cronometrado de 20 minutos. Então, no domingo de manhã, fizemos um aquecimento de 15 minutos e depois as duas motos. As faixas são muito diferentes quanto à forma como são preparadas. As faixas GP formam muito mais fluidas, e há muitas faixas difíceis de rasgar. Como eles não conseguem colocar máquinas nele, eles apenas a regam e isso cria diferentes tipos de inchaços. Eu nunca tinha pilotado uma pista como a AMA Nationals quando estava na Europa, então luto um pouco com isso. Estou praticamente cego por enquanto, como nunca estive na maioria das faixas da AMA National. Estou assistindo o máximo que posso, e isso definitivamente tem um aspecto diferente. Na Europa, você quase nem se deu ao trabalho de andar na pista, porque sabia que tinha uma hora para aprender. Então isso é definitivamente diferente.

Hunter Lawrence venceu a classe MX2 no Motocross of Nations 2017 e terminou em segundo lugar na classe MX2 no Motocross of Nations 2018. 

A EQUIPE DE EQUIPE DA GEICO HONDA TODOS OS SEUS PRÓPRIOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO. QUAL É O SEU PROGRAMA DE TREINAMENTO? Isso é uma coisa incrível. A equipe nos deixou onde quisemos. Se eu dissesse que queria me mudar para Illinois, por exemplo, eles ficariam bem com isso. É muito bom que eles confiem nos seus pilotos. Você sabe, um piloto feliz vai obter bons resultados. Existem dois garotos Geico na Flórida, e eu estou na Califórnia, mas meu regime de treinamento é definitivamente diferente em comparação com o que aconteceu na Europa. Se eu estou sendo sincero, isso foi devido ao clima na Europa, quase parece que seu corpo pode suportar mais carga de trabalho aqui, como é mais agradável. Sempre estava tão frio lá.

NESTA FASE EM SUA CARREIRA AMERICANA, ESTANDO EM SOCAL, PERTO DA RACE SHOP, É PROVAVELMENTE O MELHOR LUGAR A SER. Sim, acho que sim, embora seja discutível. De qualquer maneira, a Califórnia não tem as pistas ásperas e tortuosas que eles têm na Flórida. A Califórnia não tem a umidade e o calor da Flórida. Você tem um calor seco na Califórnia e na Flórida há mais umidade. Com o Supercross, acho que eles são tão bons quanto o outro. Obviamente, estar ao lado do workshop da equipe é tão fácil. Eles têm uma academia incrível, mas, para o exterior, fica um desafio.

Hunter terminou em 9º no geral da classe MX2 no Campeonato do Mundo de MXGP de 2017. Seu melhor final de ano foi na rodada final, quando ele venceu por 4 a 1 pela 2ª posição geral. 

DESAFIANDO DE QUE MANEIRA? Honestamente, tem sido um desafio tentar encontrar a configuração de bicicleta certa para uma pista de nível nacional com solavancos, sulcos e linhas nacionais. É difícil conseguir uma configuração como essa quando você está no sul da Califórnia e tem 30 amadores na pista ao mesmo tempo que você. Fica difícil, e você nem sempre tem trilhas muito, muito difíceis, como nos nacionais, porque simplesmente não é rasgado o suficiente. Se era como a Baker's Factory, todos esses componentes de pilotagem, eles têm a maioria dos caras da fábrica, pilotos profissionais, então a pista se forma muito mais grosseira e áspera. Essa é a minha opinião sobre isso.

VOCÊ TEM UM MENTOR COM QUE MOSTRA PARA MOSTRAR AS CORDAS NOS EUA? Não. Na Europa, trabalhei com Heiko Klepka, pai de Kenny Roczen. Eu vivi com ele por dois anos e meio, mas ele estava mais focado no lado físico e, obviamente, como Kenny havia feito isso. Eu vim da Austrália e depois fui jogado no final das corridas de bilhar na série GP. Eu realmente não tinha ideia, então ele me mostrou um pouco das cordas dessa maneira, mas quero dizer, tanto quanto o mentor, somos eu e meu pai. Fazemos tudo juntos na pista e sempre trocamos idéias, mas não, nunca contratei um treinador, treinador, mentor ou qualquer coisa assim por aqui.

Hunter Lawrence_Glen Helen Thursday Practice 6-6-19-36Hunter Lawrence_Glen Helen Thursday Practice 6-6-19-36O estilo de pilotagem de Hunter é quase perfeito. Ele gosta de ficar de pé nos cantos e manter os pés nos pinos. Seu estilo é semelhante ao de Ken Roczen, o que não é surpresa, porque ele passou 2-1 / 2 anos morando com o pai de Ken Roczen na Europa. 

OS FÃS AMERICANOS DE MOTOCROSS NÃO SEGUEM A SÉRIE MXGP MUITO PRÓXIMO. VOCÊ CRIOU BUZZ NO MOTOCROSS DE NAÇÕES DE 2018. ASSIM, HÁ UMA ADMIRAÇÃO DO SEU TALENTO AQUI. VOCÊ TEM MUITOS FÃS AMERICANOS? Obviamente não tenho muitos agora, mas estou construindo uma base de fãs. Uma coisa sobre os fãs americanos versus os europeus é que sempre há essa rivalidade onde eles sempre atacam. Acho que todos são competitivos e sempre querem ser os melhores, mas acho que a coisa entre EUA e Europa precisa desaparecer. Os europeus praticam motocross o tempo todo - é tudo o que fazem. Os Estados Unidos estão mais focados em Supercross. Acho que, no final do dia, se você pode construir cada campeonato em todo o mundo, isso fará o nosso esporte crescer. Dessa forma, mais fãs americanos sintonizarão os GPs e mais fãs europeus sintonizarão as corridas americanas. Eu acho que seria muito bom, porque eu experimentei isso de ambos os lados. Há muita rivalidade; o Motocross das Nações é o resto do mundo contra a América. Você pergunta a qualquer pessoa na Europa, e é sempre "que queremos que mais alguém vença além da América". Não deveria ser assim. Deveria ser cada país contra cada país, não apenas um alvo total à frente da rivalidade.

NO MOTOCROSS DE NAÇÕES DO ANO passado, você terminou em segundo na classe 250, conte-nos isso. Foi um evento incrível. Vou seguir em frente e dizer que isso favoreceu os europeus, 100%, com certeza. Você não pode se preparar para isso quando estiver treinando na América. Simples assim, você não pode treinar para areia européia e condições européias quando estiver treinando, porque são dois mundos diferentes. Não há lugar aqui que tenha areia como a Europa. Você simplesmente não pode explicar a areia européia para ninguém. Você tem que ir lá e experimentar em primeira mão. Não sei onde o time dos EUA estava treinando, mas tive a sorte de ir ao Red Bud National no ano passado e era uma pista completamente diferente da que eles tinham no Motocross das Nações. Mas, está correndo e você sempre terá surpresas e outras coisas.

Hunter Lawrence_Fox Raceway Pro Practice 6-10-19_-2É impressionante ver Hunter Lawrence e seu irmão mais novo, Jett Lawrence, treinarem juntos nos trilhos locais do sul da Califórnia. Eles ficam até mais tarde do que a maioria dos profissionais e dão muitas voltas.

VOCÊ PODE COMPARAR A SUA EQUIPE GEICO HONDA À EQUIPE DA FÁBRICA SUZUKI QUE VOCÊ ADORA NO GP? A Suzuki foi comparável por um tempo, mas o orçamento começou a nos afetar significativamente. Com o Geico, não acho que exista um orçamento. De volta à Suzuki, o 450 era a principal prioridade e, em seguida, o que restava do 450 era delegado à equipe 250. Stefan Everts estava confiando em um orçamento muito apertado, comparado a dizer KTM na Europa. Suzuki era uma equipe de fábrica. Foi muito bom, e tudo foi feito em alto nível, até que os japoneses pararam muito desenvolvimento e outras coisas, e a equipe terminou.

A essa altura você já tinha pensado em mudar-se para a América? Sim, meu contrato com a Geico começou em 2019 e meu contrato com a Suzuki foi finalizado no final de 2018. Teoricamente, eu tinha mais um ano na Suzuki depois que ela foi encerrada. Seria 2017 e 2018 na Suzuki e depois mudaria para a América em 2019. Quando a Suzuki interrompeu seu esforço de corrida, me inscrevi na equipe da 114 Honda na Europa e andei na maior parte dos GPs. Era uma equipe nova, então tivemos alguns problemas dentro e fora.

Hunter LAWRENCE-SAT-MOTOCROSS-GP-7-LV-2018Depois que a equipe Suzuki de fábrica saiu dos MXGP, Hunter Lawrence passou para a nova equipe Honda 114 com o apoio da equipe americana Geico Honda para competir na série MXGP de 2018. 

Foi difícil ver Suzuki puxar o MXGP devido a questões financeiras com a equipe. Não é bom para o esporte. Quando Suzuki sai, você tem Kawasaki, Yamaha e Honda lá dizendo “caramba, eles saíram, então realmente precisamos continuar continuando?” Não é bom para a indústria. Espero manter todas as marcas de manufatura no esporte o máximo que pudermos.

DÊ-NOS OS SEUS PENSAMENTOS NO SISTEMA AMA 250 SUPERCROSS POINTS OU NA REGRA DE IDADE NOS GPs MX2? Não estou muito familiarizado com a regra da AMA, porque este é meu primeiro ano, mas não é uma coisa ruim. Obviamente, na Europa e na América é difícil continuar forçando homens, especialmente quando não há muitos lugares para ir. No momento, isso não me envolve muito. Estou realmente feliz por finalmente estar aqui. Meu contrato com a Geico Honda dura três anos.

O QUE É A ATMOSFERA NA EQUIPE GEICO HONDA? AMIGÁVEIS? É normal que queremos nos derrotar. Mas não é "eu quero vencer essa pessoa, não importa o que for preciso". Somos todos amigos fora da pista, por isso é bom.

Hunter Lawrence 2019 Hangtown 250 qualifying-10Hunter navega por um salto na parede em Hangtown.

VAMOS MUITOS MOTOCROSS AUSTRALIANOS DE MOTOCROSS EM MOVIMENTO PARA A AMÉRICA? Sim, vamos ver com certeza. Eu tinha ido para a Europa e agora estou na América. Todo mundo vê o caminho e pensa: "Eu também posso fazer isso". Temos Mitch Evans e Jed Beaton na Europa no momento. Temos Dean Ferris, Todd Waters e Wilson Todd aqui fazendo algumas rondas, por isso é bom para o nosso esporte. A indústria do motocross não é muito grande na Austrália, por isso é boa para o nosso esporte na Austrália. Dá às crianças algo pelo que esperar. Para a Austrália, acho que é importante termos pilotos competindo nos Estados Unidos. É sempre bom ter esse lembrete de que o motocross está em todo o mundo. Há caras na Austrália fazendo a série australiana e matando, o que é bom. Algumas pessoas só querem fazer isso, mas é fácil ficar complacente quando você está lá embaixo, porque é uma arena tão pequena. Portanto, é sempre bom ter modelos que você possa tentar imitar. Era isso que Chad Reed era; Eu quero bater seus recordes. Não sei se poderei durar o tempo que ele tiver, mas isso me dá um pouco de fogo e algo a que apontar.

VOCÊ NÃO ESTÁ NA BATALHA DE PONTOS DO CAMPEONATO DA AMA NO MOMENTO, E O QUE ESPERANÇA EM REALIZAR? Para ser sincero, só quero ganhar corridas. Quero ganhar experiência, aprender as trilhas e vencer. Isso é tudo que eu quero fazer.

você pode gostar também