DEZ COISAS SOBRE MASTERING RUTS PROFUNDO

DANINRUTO piloto australiano Dan Alamangos verifica uma rotina REM Glen Helen. Fair dinkum! Foto: Debbi Tamietti

(1) Momento. Como os pilotos da AMA National fazem com que sulcos longos, profundos e curvos pareçam tão fáceis? Tudo começa com o compromisso de levar impulso a um canto. A física nos diz que quanto mais rápido o ciclista estiver, mais estável ele será. Pense no momento em que ele se aplica aos cavaleiros do Muro da Morte naquelas gaiolas de ferro. O momento aproveita as forças giroscópicas das rodas e do motor. Você pode desenvolver mais velocidade em cantos irregulares praticando-os em vez de evitá-los. Lembre-se, compromisso é fundamental. Quanto mais você freia, menor estabilidade você terá.

(2) Não mude. Uma técnica de boa prática para dominar sulcos profundos é renunciar à redução de marchas para um canto sulcado. Este é um sistema de controle de tração de um pobre homem. Manter a bicicleta em uma marcha mais alta deixa o chassi mais calmo ao se aproximar da esquina, diminuindo a frenagem descompressiva e as mudanças repentinas de peso. É importante lembrar de sair da esquina em alta velocidade. O motor pode querer parar no ápice, mas mesmo um ligeiro aumento na entrada do acelerador pode tornar a saída da curva indolor, rápida e suave.

(3) Quais freios? Faça o que fizer, não bata no freio traseiro em um barranco. Isso não apenas matará o impulso, mas também fará com que o chassi se levante. Quando o chassi se levanta, ele desequilibra o equilíbrio. Suas pernas ficarão frouxas e a perna dianteira será puxada para trás, caso você precise se esforçar para não cair. Para evitar isso, faça toda a frenagem antes de sentar na esquina. Ao passar da posição de pé para a posição sentada, mova o pé no lado do freio da bicicleta do centro da pedaleira para trás, de modo que a bola do pé fique na pedaleira. Isso impedirá que o pé atinja acidentalmente o freio traseiro ou seja arrancado do pino pelas laterais da rotina. Você precisa manter contato com a bicicleta.

(4) suave. Quanto mais consistente for a mão do acelerador, mais suave será a moto em sulcos. Não ligue e desligue o acelerador várias vezes em um canto esburacado. Toda vez que você acelera, a bicicleta sobe na parede da rotina. E toda vez que você desligá-lo, a bicicleta cai na rotina.

mussarelaVocê tem que acreditar. Você tem que olhar para frente. Você tem que pesar a estaca externa.

(5) se incline com isso. A melhor maneira de se comprometer com uma rotina é não apenas inclinar o corpo, mas também a cabeça. Essa é uma técnica que Jeremy McGrath aperfeiçoou. Onde sua cabeça vai, o corpo e a bicicleta seguirão. Escusado será dizer que ficar em um barranco é melhor do que sentar. Se você puder suportar todo o caminho através de um canto esburacado, faça-o. Se não puder, tente pelo menos evitar ficar sentado o maior tempo possível.

(6) Arraste. Uma técnica mais avançada e muito útil nas rotinas é a resistência ao freio dianteiro. Essa técnica faz duas coisas. Primeiro, evita o uso do freio traseiro em um canto. Segundo, mantém a roda dianteira presa ao chão como cola. É sempre uma boa idéia manter um dedo sobre a alavanca do freio dianteiro para modular a pressão na roda dianteira.

(7) navegue na onda. Muitos sulcos profundos têm uma forma semelhante a uma onda oceânica. Quanto mais alta e íngreme for a rotina, melhor ela segurará uma bicicleta quando a velocidade correta for gerada. Quanto mais íngreme o ângulo dos lados, mais rápido o ciclista pode passar pela rotina. A melhor maneira de medir o ângulo de inclinação é verificar a que altura estão as trilhas dos pneus do outro piloto na rotina. Isso lhe dará uma idéia de onde você está. Lembre-se, quanto maior o ângulo, mais velocidade você precisará.

(8) Olhos para a frente e para dentro. Nunca olhe para sua roda dianteira. Pense em uma rotina como uma pista de vagão Uma vez que sua roda dianteira esteja na rotina, você estará essencialmente nos trilhos. Sempre olhe para a frente no final da rotina e nunca para o exterior de uma esquina. Sempre olhe para onde a rotina está indo, não para onde você está agora. Você não pode fazer nada sobre o que está acontecendo 6 cm à sua frente, portanto, você precisa se concentrar em onde estará quando o tempo de reação começar. Se você assistir os melhores pilotos, eles terão os olhos para cima e focados no que está acontecendo. futuro, não o passado.

roncadagh2002Escolha um. Alguém.

(9) Pese. Colocar pressão no pino externo quando estiver em uma rotina manterá a bicicleta plantada. Também ajudará a direcioná-lo para a saída da esquina. A maneira mais fácil de diminuir essa habilidade é colocar a bola do pé no pé. Gire o dedo para dentro e pressione o joelho externo contra o tanque de gasolina. Isso colocará automaticamente pressão no pino externo.

(10) Trajetória. Ao se aproximar de uma curva no sulco, a linha principal usada pelos corredores (conhecida como trilha da cabra) geralmente acaba sendo um chute direto no sulco. Essa abordagem leva à sobre-frenagem e mata o momento. Pense na excelente velocidade de curva dos pilotos de MotoGP. Eles não vão direto de canto a canto. Eles estão em um canto para tornar a curva menos abrupta. Os motocross podem fazer a mesma coisa ao fazer uma curva profundamente irregular, movendo-se levemente para o exterior enquanto se aproximam da rotina e depois dobrando a bicicleta em direção ao interior. Não estamos falando em mover-se mais de três metros para o lado - apenas um ou dois metros podem suavizar a entrada de um canto esburacado e permitir que você tenha mais velocidade nele.

 

você pode gostar também