FLASHBACK SEXTA-FEIRA: QUADRO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE BRAD LACKEY

Brad correndo para ser o primeiro americano a ganhar um título de Grand Prix. 

TA infância do motocross nos Estados Unidos foi uma época em que estrelas européias, como Roger DeCoster, Torsten Hallman e Lars Larsson, lançavam luz sobre o que era preciso para ter sucesso no esporte então desconhecido. Os pilotos neófitos da América careciam da habilidade e experiência necessárias para derrubar os euros, mas compensaram essas deficiências com orgulho inabalável e determinação feroz.

O nativo de Berkeley, Califórnia, Brad Lackey liderou o ataque. Teimoso e firme em sua resolução, Lackey estava determinado a erguer as estrelas e listras sobre a frota de homens de ferro europeus que dominava a cena em todos os continentes. Brad rapidamente se tornou o melhor americano na popular série Trans-AMA, mas foi derrotado por um quem é quem da maior geração de motocross da Europa - Roger DeCoster, Ake Jonsson, Heikki Mikkola, Arne Kring, Adolf Weil, Joel Robert e outros. Brad disse: “Os europeus nos ensinaram que precisávamos levar nosso treinamento muito mais a sério e eu levei isso a sério. Desde o início, eu sabia que queria ir para a Europa e competir contra os melhores pilotos do mundo. ”

Brad venceu o AMA 1972 Nationals em 500 e conseguiu a placa número um em Amelia Earhart Park em 1973.

Lackey logo conseguiu seu desejo. Em 1971, enquanto corria pela CZ, Brad foi enviado à Tchecoslováquia para um campo de treinamento. Enquanto esteve lá, ele disputou 250 corridas de Grand Prix e experimentou a cultura européia; no entanto, "Bad" Brad ainda não havia se comprometido com a série GP. Em vez disso, voltou para casa e venceu prontamente o Campeonato Nacional de 1972cc da AMA de 500cc para a Kawasaki. Lackey foi imparável, vencendo cinco das oito rodadas.

“Em 1981, Lackey saltou para Suzuki. SUZUKI NÃO GANHA UM TÍTULO MUNDIAL DESDE A DECORADORA ROGER COMPROU O OURO AMARELO DAS BICICLETAS EM 1975. LACKEY E SUA TRIPULAÇÃO COMEÇARAM DE SCRATCH E CONSTRUIRAM SUA PRÓPRIA VERSÃO DAS MELHORES PEÇAS POSSÍVEIS PARA SUBSTITUIR OBRAS DE TRABALHO.

Naturalmente, a Kawasaki queria que sua estrela defendesse a coroa da AMA 500cc em 1973, mas Brad Lackey tinha outras idéias. Lutando contra o senso comum e contrariando os desejos de Kawasaki, Lackey fez as malas e foi para a Europa. Com o apoio mínimo da Kawasaki, Brad passou pela temporada de 500cc naquele ano. Era compreensível que Kawasaki não quisesse nada com Lackey em 1974. Felizmente, Husqvarna viu uma promessa no jovem americano.

Brad na capa da edição de novembro de 1982, depois de ser o primeiro americano na história a ganhar um título de Grand Prix.

Depois de três anos na marca sueca, Lackey mudou-se para a Honda. Ele venceu seu primeiro Grand Prix na rodada britânica de 1977 e terminou em segundo lugar na classificação do Campeonato do Mundo de 1977 para Heikki Mikkola. De alguma forma, Brad acabou na Kawasaki novamente e completou um período de dois anos com a marca japonesa em 1979 e 1980 - embora tenha ficado aquém de sua busca pelo título. Em 1981, Lackey saltou para a Suzuki. A Suzuki não conquistou um título mundial desde que Roger DeCoster trouxe o ouro amarelo das bicicletas em 1975. Lackey e sua equipe começaram do zero e construíram manualmente sua própria versão da melhor Suzook possível - muitas vezes abandonando peças de peças americanas. Suzuki não estava feliz com isso, mas o objetivo de Brad era vencer o Campeonato do Mundo FIM 1982 de 500 - não importa o que fosse necessário.

Não foi fácil. A sensação belga Andre Vromans cortou a liderança de Lackey quando a série terminou, e Vromans apenas perdeu quatro pontos na fase final do Luxemburgo. Na primeira moto, o belga saltou para a liderança de 27 segundos sobre Lackey, mas o americano andou. Faltando cinco voltas, Brad derramou nas brasas e passou seu rival com meia volta de sobra. O espírito de Vromans foi destruído. A segunda moto foi anticlimática, pois Andre foi enterrado no início, e Lackey andou com cautela para vencer o título de GP de 1982cc de 500. Ao fazer isso, Brad Lackey se tornou o primeiro americano a ganhar um título de Grand Prix. Outro americano, Danny LaPorte, seguiu o exemplo algumas semanas depois, conquistando o título de 82cc nas corridas de 250. Suzuki ficou feliz por ganhar a coroa, mas descontente com a forma como Brad Lackey conseguiu - e o deixou em 1983.

você pode gostar também